Saxo Bank está a comprar ações portuguesas. Vê PSI-20 nos 7.000 pontos

Banco dinamarquês aponta para disparo de 35% da bolsa portuguesa com o desempenho económico surpreendente. E já está a investir. "É uma aposta em ações importante para nós", diz o analista do banco.

“Uma grande surpresa macroeconómica” levou o Saxo Bank a entrar no mercado de ações português. O banco dinamarquês está mais otimista em relação a Portugal, diz que os títulos portugueses estão baratos e vê o índice PSI-20 a atingir os 7.000 pontos até final do próximo ano.

“Hoje estamos a alargar a nossa recomendação de compra de ações portuguesas com base na grande surpresa económica na avaliação dos títulos”, afirma o diretor de estratégia de ações do Saxo Bank, Peter Garny. “O índice negoceia num nível 18 vezes o seu lucro por ação esperado e apresenta uma dividend yield de 3,6%. No rácio entre a cotação e o valor dos ativos, a avaliação do índice está tão deprimida como durante a crise da zona euro em 2012. Isto significa que há muita margem para um potencial de subida se as perspetivas e os fundamentais melhorarem ligeiramente”, explica Garny.

Nesse sentido, este gestor diz que o Saxo está a entrar no mercado de ações de Portugal através da compra de CFD (instrumentos mais complexos e que replicam o comportamento de determinado ativo). E prevê: “O nosso preço alvo é agressivo, de 7.000 pontos, dado que esperamos que o índice recupere a maior parte da queda que observou desde o pico na sequencia do programa de estímulos do Banco Central Europeu (BCE) no início de 2015”.

Atualmente, o PSI-20 negoceia nos 5.170 pontos. Ou seja, o banco estima um potencial de valorização de 35% para os próximos meses.

"O índice negoceia num nível 18 vezes o seu lucro por ação esperado e apresenta uma dividend yield de 3,6%. No rácio entre a cotação e o valor dos ativos, a avaliação do índice estão tão deprimida como durante a crise da zona euro em 2012. Isto significa que há muita margem para um potencial de subida se as perspectivas e os fundamentais melhorarem ligeiramente.”

Peter Burnt

Saxo Bank

Garny considera que se trata de um trade estratégico “em ações da periferia europeia e mais especificamente em Portugal enquanto outperformer [com pior desempenho que os pares]”. “Não esperamos qualquer recessão nos próximos 12 meses tendo em conta os atuais dados económicos na Europa. O nosso horizonte temporal estende-se até final de 2018 nesta aposta. Isto é uma aposta em ações importante para nós”, frisa o analista.

Elencando vários indicadores económicos positivos, desde o crescimento económico, a descida da taxa de desemprego até ao boom no turismo, o Saxo Bank diz que nem tudo sem rosas para Portugal. Sublinha o elevado endividamento público e o baixo nível de crédito às empresas. “Mas o impacto negativo do crédito só torna o crescimento ainda mais impressionante”, refere.

Em relação ao setor bancário, Garny adianta que continua vulnerável a uma das mais elevadas taxas de ativos problemáticos e é uma ameaça ao sentimento dos investidores e ao desempenho das ações.

“Com os recentes resgates bancários em Espanha e Itália, o foco está agora de regresso a Portugal. Esperançosamente, o país pode orquestrar um plano de recapitalização convincente para o setor bancário para que o crédito possa fluir outra vez”, assegura o analista.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saxo Bank está a comprar ações portuguesas. Vê PSI-20 nos 7.000 pontos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião