Bolsa de Lisboa avança com recuperação na Europa

INE revela números preliminares do PIB esta manhã. Analistas esperam crescimento à volta de 3%. PSI-20 avança em linha com ganhos na Europa. Liquidez vai ser reduzida, avisa BPI.

A economia portuguesa terá crescido mais de 3% no segundo trimestre do ano e, à espera dessa confirmação pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta manhã, a bolsa de Lisboa inicia a semana em terreno positivo, em linha com os principais índices europeus.

O PSI-20, o principal índice português, ganha 0,34% para 5.219,10 pontos. Recupera de parte da queda de 1% registada na sexta-feira, com as ações do BCP, EDP e Jerónimo Martins em maior destaque. O banco soma mais de 1%. Já a elétrica e a retalhista apresentam-se em alta mais ligeira, de 0,3% e 0,4%, respetivamente.

“Prevê-se que esta seja uma semana bastante tranquila em termos de atividade, já que muitos investidores se encontram em férias. Apesar de amanhã ser feriado, a bolsa nacional irá negociar de forma habitual”, referiram os analistas do BPI no seu Diário de Bolsa.

Entre as 13 cotadas que seguem acima da linha de água, destaque ainda para as ações dos CTT, que ganham 1,98% para 5,45 euros, depois de o JPMorgan ter melhorado a recomendação sobre o título para para “Neutral” com uma avaliação de 5,5 euros. Seria o melhor desempenho em Lisboa não fossem os papéis da Pharol, que ganham 3,97% para 0,314 euros, depois da queda de 7% registada na sexta-feira.

Entretanto, lá por fora, depois de uma semana de vendaval vendedor por causa da escalada do risco com a troca de palavras entre Washington e Pyongyang, a semana inicia-se de forma relativamente mais otimista, com as praças de Frankfurt, Madrid, Paris e Londres a evidenciarem ganhos entre 0,4% e 0,8%.

“Depois de na semana a escalada de tensão entre os EUA e a Coreia Norte ter subido para níveis sem precedentes, os receios geopolíticos neste primeiro dia de semana parecem ter diminuído. (…) Tradicionalmente, a semana de 15 de agosto é a segunda menos transacionada do ano, só precedida pela semana do Natal. Contudo, dada a situação geopolítica e dado o nível de alerta dos investidores, a diminuição do volume poderá ser menos expressiva do que nos anos anteriores”, notam os analistas do BPI.

"Tradicionalmente, a semana de 15 de agosto é a segunda menos transacionada do ano, só precedida pela semana do Natal. Contudo, dada a situação geopolítica e dado o nível de alerta dos investidores, a diminuição do volume poderá ser menos expressiva do que nos anos anteriores.”

Analistas do BPI

Diário de Bolsa

(Notícia atualizada às 8h23)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa avança com recuperação na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião