Da neuroeconomia ao estudo das recessões: Quem vai ganhar o Nobel da Economia?

Não há uma short list com os candidatos ao Nobel da Economia que será anunciado nesta segunda-feira. Mas há alguns economistas que pelo seu trabalho podem ter mais hipóteses de merecer a distinção.

Depois da física, Química, Medicina, Literatura e Paz, apenas falta a Economia. A Academia Real Sueca de Ciência anuncia nesta segunda-feira o vencedor do Prémio do Banco da Suécia para as Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, vulgarmente conhecido como o Nobel da Economia. Instituído em 1968, 67 anos após a primeira atribuição dos Prémios Nobel, este galardão já foi entregue a 78 individualidades pelo seu trabalho na área da ciência económica. Apenas uma era mulher — Elinor Ostrom, que recebeu o prémio Nobel da Economia em 2009, juntamente com Oliver Williamson, pelos seus trabalhos sobre “governação económica”.

Oliver Hart e Bengt Holmströem foram os últimos a receber o prémio. Os investigadores de Harvard e do MIT, respetivamente, foram laureados em 2016 pela Real Academia Sueca das Ciências, devido às suas contribuições para a Teoria dos Contratos. Ou seja, o estudo sobre como os contratos de trabalho e outros são construídos para servirem de base para as relações económicas. No ano anterior, o prémio foi entregue a Angus Deaton da Universidade de Princeton pelo seu trabalho de investigação na área da pobreza e a desigualdade. A questão que se impõem é: Quem será o vencedor este ano?

Encontrar uma resposta para esta questão não é fácil, já que os nomes dos candidatos nomeados são mantidos secretos ao longo dos 50 anos em que este prémio é atribuído. Mas há dezenas de nomes de economistas que pelo trabalho desenvolvido podem merecer a distinção.

A Clarivate Analytics, consultora da Thomson Reuters, tem feito ao longo dos últimos 15 anos uma lista dos candidatos que considera que possam vir a ter mais hipóteses de serem os escolhidos para o Nobel nas diferentes disciplinas que são premiadas. A consultora faz essa previsão com base num modelo que considera, entre outras variáveis, a popularidade dentro da comunidade científica dos papers publicados.

Não sendo certo que a escolha do Prémio Nobel da Economia saia da sua short-list, a consultora tem conseguido alguns bons resultados nas suas previsões ao longo dos últimos anos. Desde que começou a fazer essa análise, em 2002, identificou 45 cientistas proeminentes que independentemente da área em causa, acabaram por vencer o Prémio Nobel.

 

Foi o que aconteceu com Oliver Hart e Bengt Holmströem que no ano passado foram galardoados com o Nobel da Economia. Ambos estavam na lista de possíveis vencedores da Clarivate Analytics. Para este ano, entre os que considera serem sérios candidatos ao Nobel da Economia, a consultora adicionou à lista os nomes de cinco cientistas económicos, pelo trabalho desenvolvido em três áreas distintas da ciência económica.

Colin Camerer, do Instituto da Califórnia da Tecnologia, e George Loewenstein, da Universidade Caregie Mellon, são candidatos prometedores pelo trabalho de pesquisa “pioneiro” sobre a economia comportamental e a neuroeconomia. Entre os papers que desenvolveram em conjunto sobre essa área está o “Neuroeconomia: Como a neurociência pode informar a economia”, publicado em março de 2005 no Journal of Economic Literature. Esta área da ciência económica tem vindo a merecer cada vez mais interesse. Desde desde 1990 largas centenas de estudos que procuram perceber a ligação das emoções na tomada de decisões de consumo.

Robert Hall, professor da Universidade de Stanford, é outro dos candidatos ao prémio incluído na lista da Clarivate, devido ao trabalho desenvolvido no âmbito da análise da produtividade do trabalho e pelo seu estudo das recessões e do desemprego. Como economista especializado em trabalho, produziu alguns dos modelos de dinâmica do mercado de trabalho mais influentes e construiu também as fundações para a reforma de impostos dos EUA de 1986, entre outras contribuições.

Michael Jensen, de Harvard, Stewart Myers, do MIT, e Raghuram Rajan, da Universidade de Chicago, também estão entre os economistas cujo trabalho tem hipótese de merecer uma distinção por parte da Academia Real Sueca de Ciência. A Clarivate destaca “as suas contribuições para trazer luz às dimensões de tomada de decisão nas finanças empresariais“.

John Taylor, professor economia na Universidade de Stanford

Mas há muitos outros potenciais candidatos ao Nobel da Economia, incluindo algumas figuras proeminentes como John Taylor. O académico da Universidade de Stanford, especializado em política monetária, é tido como o preferido de Donald Trump para substituir Janet Yellen no comando da Reserva Federal dos EUA. Desde a década de 70 do século passado, Taylor tem vindo a publicar trabalhos no campo da economia monetária e financeira, tendo contribuído para a evolução do modelo IS-LM sobre expectativas racionais, com uma hipótese sobre a trajetória da taxa de juro diretora da economia: a Regra de Taylor.

Entre os nomes mais proeminentes estão também Paul Romer, da Universidade de Nova Iorque e economista-chefe do Banco Mundial. Especialista em crescimento económico, o economista é pioneiro da Teoria do Crescimento Endógeno.

William Nodhaus, da Universidade de Yale, que estuda as alterações climáticas é outro dos potenciais nomeados. O economista foi o primeiro a apontar como limite o aumento de dois graus centígrados em relação ao período pré-industrial. Num artigo publicado em 1975 afirmou que “se as temperaturas globais subissem mais do que dois ou três graus centígrados acima da temperatura média anual, isso levaria o clima para fora dos limites de observação que têm sido registados nos últimas centenas de milhares de anos”. Mais tarde, em 1990, o Instituto de Estocolmo sugeriu que os dois graus centígrados acima dos níveis pré-industriais deveria ser o máximo aceite pelos decisores políticos.

Entre os nomes mais conceituados está também Oliver Blanchard. No final de 2012, em plena crise das dívidas soberanas, o então economista-chefe do Fundo Monetário Internacional sugeriu que os efeitos dos planos de austeridade que estavam a ser implementados sobretudo por alguns países da Zona Euro, incluindo Portugal, poderiam ter sido subestimados pelas instituições que fazem previsões económicas.

Olivier Blanchard, Professor Emérito do MIT.

Na prática, Blanchard chegou à conclusão de que o impacto da consolidação orçamental estava a ser bem mais grave do que era esperado, com consequências para o crescimento económico e para o emprego, desafiando algumas das políticas que o próprio FMI havia recomendado. Motivou uma séria discussão em torno dos famosos multiplicadores. Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE) foram alguns dos críticos ao trabalho do economista francês. O economista tem vários estudos sobre o tema, incluindo o popular artigo “Growth Forecast Errors and Fiscal Multipliers

E o Nobel da Economia é…

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Da neuroeconomia ao estudo das recessões: Quem vai ganhar o Nobel da Economia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião