May publica guia legislativo para o pós-Brexit

  • ECO
  • 9 Outubro 2017

Negociações sobre comércio e relações comerciais do Reino Unido com a União Europeia ainda não arrancaram, mas May já lançou os traços-gerais do que será a legislação britânica depois da saída.

Theresa May já disse que quer uma parceria criativa e ambiciosa com a União Europeia; já disse que está a preparar o Reino Unido para qualquer eventualidade (mesmo para um hard Brexit); já disse que a sua é uma liderança calma e totalmente suportada pela sua equipa ministerial. Agora, a primeira-ministra britânica troca as palavras por ações e lança, em traços gerais, a legislação que será adotada pelo Reino Unido depois da saída da União Europeia. O livro branco – documento oficial que serve de guia para enfrentar uma determinada situação – tem uma área de ação clara: as relações alfandegárias e comerciais das ilhas com o continente.

A publicação, relata o The Telegraph, pretende clarificar as expectativas do Governo britânico relativamente a estes temas, ainda antes das negociações com Bruexlas começarem. Os responsáveis europeus têm-se recusado a conversar sobre estas matérias, dando prioridade à discussão sobre quanto vai custar este divórcio ao Reino Unido. A frustração e a pressão sobre a chefe do Governo britânico não para, por isso, de subir.

Com esta decisão, Theresa May confirma que o Reino Unido está a avançar, efetivamente, com a preparação para o Brexit, sobretudo porque as conversações não estão a ter os progressos desejados. “Esperamos que isto faça Bruxelas focar-se no facto de que estamos a prosseguir com os nossos preparativos mesmo que a UE se recuse a começar as negociações para o acordo comercial“, sublinhou uma fonte governamental ao mesmo jornal.

A divulgação deste livro branco põe em marcha o processo legislativo formal. Antes de ser votado pelos deputados, o documento deverá, contudo, sofrer diversas alterações. Ainda que não finalizado, este diploma deverá ser interpretado pelos responsáveis europeus como uma declaração evidente da preparação do Reino Unido para uma saída sem acordo.

Boris por um fio?

Esta é a mais recente das tentativas de May para consolidar a sua liderança, depois de, na semana passada, ter sido alvo de uma partida durante o seu discurso, na conferência do Partido Conservador, em Manchester, e de um rumor interno de que pelo menos três dezenas de deputados desejavam a sua demissão.

A somar às peripécias que têm enfraquecido este Governo — como a convocação de eleições antecipadas, o que acabou por representar a perda da maioria conservadora — está a deflação crescente da popularidade do seu ministro dos Negócios Estrangeiros motivada pelas suas posições relativas ao Brexit. Este domingo, em entrevista ao The Sunday Times, Theresa May admitiu remodelar a sua equipa e afastar Boris Johnson, mas fontes próximas já adiantaram que a primeira-ministra mantém “confiança total” no ex-mayor de Londres.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May publica guia legislativo para o pós-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião