May publica guia legislativo para o pós-Brexit

  • ECO
  • 9 Outubro 2017

Negociações sobre comércio e relações comerciais do Reino Unido com a União Europeia ainda não arrancaram, mas May já lançou os traços-gerais do que será a legislação britânica depois da saída.

Theresa May já disse que quer uma parceria criativa e ambiciosa com a União Europeia; já disse que está a preparar o Reino Unido para qualquer eventualidade (mesmo para um hard Brexit); já disse que a sua é uma liderança calma e totalmente suportada pela sua equipa ministerial. Agora, a primeira-ministra britânica troca as palavras por ações e lança, em traços gerais, a legislação que será adotada pelo Reino Unido depois da saída da União Europeia. O livro branco – documento oficial que serve de guia para enfrentar uma determinada situação – tem uma área de ação clara: as relações alfandegárias e comerciais das ilhas com o continente.

A publicação, relata o The Telegraph, pretende clarificar as expectativas do Governo britânico relativamente a estes temas, ainda antes das negociações com Bruexlas começarem. Os responsáveis europeus têm-se recusado a conversar sobre estas matérias, dando prioridade à discussão sobre quanto vai custar este divórcio ao Reino Unido. A frustração e a pressão sobre a chefe do Governo britânico não para, por isso, de subir.

Com esta decisão, Theresa May confirma que o Reino Unido está a avançar, efetivamente, com a preparação para o Brexit, sobretudo porque as conversações não estão a ter os progressos desejados. “Esperamos que isto faça Bruxelas focar-se no facto de que estamos a prosseguir com os nossos preparativos mesmo que a UE se recuse a começar as negociações para o acordo comercial“, sublinhou uma fonte governamental ao mesmo jornal.

A divulgação deste livro branco põe em marcha o processo legislativo formal. Antes de ser votado pelos deputados, o documento deverá, contudo, sofrer diversas alterações. Ainda que não finalizado, este diploma deverá ser interpretado pelos responsáveis europeus como uma declaração evidente da preparação do Reino Unido para uma saída sem acordo.

Boris por um fio?

Esta é a mais recente das tentativas de May para consolidar a sua liderança, depois de, na semana passada, ter sido alvo de uma partida durante o seu discurso, na conferência do Partido Conservador, em Manchester, e de um rumor interno de que pelo menos três dezenas de deputados desejavam a sua demissão.

A somar às peripécias que têm enfraquecido este Governo — como a convocação de eleições antecipadas, o que acabou por representar a perda da maioria conservadora — está a deflação crescente da popularidade do seu ministro dos Negócios Estrangeiros motivada pelas suas posições relativas ao Brexit. Este domingo, em entrevista ao The Sunday Times, Theresa May admitiu remodelar a sua equipa e afastar Boris Johnson, mas fontes próximas já adiantaram que a primeira-ministra mantém “confiança total” no ex-mayor de Londres.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May publica guia legislativo para o pós-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião