Alta do petróleo deixa Wall Street à deriva. Qualcomm sobe 5%

Qualcomm avança 5% mas preço fica longe da oferta de compra lançada pela rival Broadcom, sinal de desconfiança do mercado quanto ao sucesso daquele que pode ser o maior negócio tecnológico de sempre.

A subida dos preços do petróleo está a condicionar a abertura das bolsas norte-americanas esta segunda-feira, num dia marcado pela visita do Presidente norte-americano ao Japão.

O barril de Brent, que serve de referência para as importações nacionais, avança 0,81% para 62,57 dólares, ao mesmo tempo que o contrato WTI (negociado em Nova Iorque) ganha 0,65% para 55,98 dólares. São subidas que acontecem depois de a Arábia Saudita ter mandado prender mais de uma dezena de indivíduos, entre príncipes, milionários e ministros, todos acusados de corrupção. Um dos envolvidos é o príncipe Alwaleed, que detém posições no Citigroup e Twitter, entre outras grandes empresas.

Neste cenário, Wall Street encontra-se à deriva, com o índice de referência mundial, o S&P 500, a perder 0,05% para 2.586,61 pontos, acompanhado pelo industrial Dow Jones, que cede 0,04%. Já o tecnológico Nasdaq ganha 0,08%.

No plano empresarial, as ações da Qualcomm ganham 5% para 64,90 dólares depois de a Broadcom ter lançado um oferta de mais de 130 mil milhões de dólares sobre a fabricante de chips de computador, naquele que pode ser o maior negócio tecnológico de sempre. A Broadcom oferece 70 dólares por ação, tentando convencer os acionistas da Qualcomm com um prémio de 28% face ao preço de fecho de sexta-feira.

O desempenho da Qualcomm — com o título a negociar bem abaixo da contrapartida do rival — deixa antever um cenário complicado para a Broadcom no sucesso da operação. O Financial Times adianta que a administração da Qualcomm deverá recomendar a rejeição da proposta devido aos sérios problemas regulatórios e de concorrência que a oferta deverá levantar junto das autoridades.

Na frente política, o dia fica dominado pela visita de Donald Trump ao Extremo Oriente. O Presidente norte-americano esteve esta segunda-feira no Japão, de onde deve seguir para a Coreia do Sul esta terça-feira. A ameaça nuclear da Coreia do Norte será um dos temas abordados nesta viagem.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alta do petróleo deixa Wall Street à deriva. Qualcomm sobe 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião