Broadcom oferece 103 mil milhões. Qualcomm deverá rejeitar

É oficial: a Broadcom pretende comprar a Qualcomm por 103 mil milhões de dólares. Contudo, a rival da Intel deverá rejeitar a oferta.

Pode vir a ser o maior negócio tecnológico da história. A Broadcom anunciou esta segunda-feira que fez uma oferta de 103 mil milhões de dólares pela Qualcomm, assumindo as dívidas da empresa. A proposta prevê que os acionistas recebam 70 dólares por ação, segundo o Financial Times, o que se traduz em 60 dólares em dinheiro e 10 dólares em ações da Broadcom. Contudo, o negócio não deverá concretizar-se com a esperada rejeição por parte da Qualcomm.

A concretizar-se, a operação avaliaria o capital da Qualcomm em 103 mil milhões de dólares. A proposta da Broadcom representa um prémio de 28% face à cotação de fecho da Qualcomm da passada quinta-feira, depois de ter vindo a público que havia uma oferta a ser preparada. “A nossa proposta dá aos acionistas da Qualcomm um prémio substancial e imediato em dinheiro pelas suas ações, assim como a oportunidade para participar no potencial do grupo resultante”, afirmou Hock Tan, CEO da Broadcom, ao FT.

Contudo, o negócio deverá ter vários problemas. Em primeiro lugar porque os gestores da Qualcomm vão recomendar aos acionistas que rejeitem esta operação. Fontes próximas da empresa afirmaram ao FT que a proposta deverá ser rejeitada uma vez que os riscos com os reguladores são muito elevados.

Mesmo que ultrapasse esta barreira, a Broadcom deverá ter de enfrentar os reguladores do setor perante uma proposta que constitui um grupo com mais de 200 mil milhões de dólares de capital. A fusão das duas empresas criaria um gigante que controlaria as peças essenciais para qualquer empresa que queira construir um smartphone, segundo a Bloomberg.

(Notícia corrigida: gralha atribuía no título valor de 130 mil milhões de dólares à oferta. Valor correto são 103 mil milhões de dólares.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Broadcom oferece 103 mil milhões. Qualcomm deverá rejeitar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião