DBRS admite analisar melhoria do rating de Portugal na próxima avaliação

  • Lusa
  • 6 Novembro 2017

De acordo com o calendário para as decisões sobre os 'ratings' soberanos, a DBRS não voltará a pronunciar-se sobre Portugal este ano e não está ainda disponível o calendário para 2018.

A economista da DBRS Adriana Alvarado afirmou esta segunda-feira à Lusa que vai “analisar na próxima avaliação” a Portugal uma eventual melhoria do rating “se os desenvolvimentos favoráveis continuarem”. Questionada sobre se admite rever o rating português no próximo ano, depois de a DBRS ter confirmado na sexta-feira a avaliação em BBB (baixo) e a perspetiva em estável, Adriana Alvarado afirmou que “isso é algo que [a DBRS] vai analisar na próxima avaliação”.

A economista acrescentou que “Portugal tem feito progressos importantes” e que “pode ir nessa direção se os desenvolvimentos favoráveis continuarem”, salvaguardando, no entanto, que não há nenhuma decisão tomada neste sentido. Em entrevista telefónica à Lusa, a responsável pelo departamento de ratings soberanos da agência canadiana afirmou que, “se a melhoria nas finanças públicas e no crescimento económico for sustentada e resultar numa trajetória descendente na dívida pública, isso pode ser bom para o rating“.

Além disso, para melhorar a nota atribuída a Portugal, a agência também precisa de ver “um progresso mais sustentado na redução dos créditos malparados”. Relativamente a esta matéria, a economia considera que a plataforma de gestão comum dos créditos em incumprimento “é um passo positivo, uma iniciativa boa dos bancos [que] deverá ajudar a acelerar a recuperação do malparado”, mas entende que “não é provável que seja um agente de mudança”.

Se a melhoria nas finanças públicas e no crescimento económico for sustentada e resultar numa trajetória descendente na dívida pública, isso pode ser bom para o rating.

Adriana Alvarado

Economista da DBRS

É que “os riscos vão continuar nos balanços dos bancos” e, por isso, “a situação não deverá mudar significativamente em resultado da plataforma do malparado“, argumentou, sublinhando, no entanto, que, “no geral, é bom para o setor bancário como um todo”.

O desempenho da economia é outro aspeto apontado por Adriana Alvarado, que considera que, no curto prazo, “a perspetiva é forte” mas que, no longo prazo, “há alguma incerteza sobre a força do crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] e isto é assim por causa do crescimento potencial relativamente fraco“. Sublinhando que o Governo está mais otimista no médio prazo (aponta para crescimentos em torno dos 2%) do que o FMI (que aponta para cerca de 1,3%), a economista da DBRS admite que “as perspetivas do crescimento no longo prazo podem reforçar-se se o investimento continuar a crescer num ritmo sustentável e se a produtividade do trabalho melhorar”.

Finalmente, na frente orçamental, Adriana Alvarado diz que a DBRS, “neste momento, não tem nenhuma preocupação em relação à consolidação orçamental” até porque “as pressões orçamentais agora são menores do que eram no passado e isso deve-se ao bom desempenho da economia e também aos esforços em curso do Governo para conter a despesa pública“.

Contudo, mais uma vez vê “alguns riscos nas perspetivas orçamentais no longo prazo”, que estão “relacionados com a manutenção a despesa em controlo sobretudo porque algumas medidas de austeridade foram revertidas“, nomeadamente em relação às pensões mas também ao regresso das 35 horas de trabalho semanais na função pública e à reposição da progressão nas carreiras. Apesar disso, Adriana Alvarado refere que “a consolidação orçamental continua” em Portugal e que a questão é “manter o ajustamento” ao longo do tempo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS admite analisar melhoria do rating de Portugal na próxima avaliação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião