Revista de imprensa internacional

O negócio da AT&T com a Time Warner enfrenta um obstáculo: a possível venda da CNN. Na Europa, o obstáculo é outro: os Estados-membros querem saber quanto é que o Reino Unido está disposto a pagar.

Trump mudou-se para a Casa Branca e, no último ano, o metro por quadrado na Trump Tower, em Nova Iorque, desceu. Em Washington, perante o Senado, a ex-CEO da Yahoo pôs as culpas na Rússia quanto aos dados privados dos utilizadores que foram divulgados. No negócio entre a AT&T e a Time Warner, os reguladores querem a venda da CNN. Já a TripAdvisor criou uma ferramenta para identificar casos de assédio sexual. Na Europa, a UE espera o número do cheque do Reino Unido.

Financial Times

Reguladores querem que AT&T venda CNN

As autoridades norte-americanas exigem que a AT&T venda o canal noticioso CNN, após comprar a Time Warner. Três fontes próximas do processo revelaram ao FT que a exigência foi transmitida pelo Departamento de Justiça norte-americano à AT&T, a gigante das telecomunicações que quer adquirir a Time Warner (dona da CNN) por 84,5 mil milhões de dólares. O canal noticioso, frequentemente criticado por Donald Trump, é visto como a “jóia da coroa” da empresa. A AT&T não concorda com esta imposição e está preparada para lutar contra a decisão nos tribunais, segundo duas fontes próximas do processo.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

The Wall Street Journal

Preços da Trump Tower estão aquém dos concorrentes

Os condomínios de Donald Trump na famosa torre que detém em Nova Iorque não estão a valorizar tanto quanto a concorrência. Desde o início da campanha em 2015, os preços têm caído, regressando aos níveis verificados durante a crise financeira. A tendência é particularmente sentida na Trump Tower quando comparada com outros edifícios semelhantes da cidade.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

CNN

TripAdvisor cria ferramenta que alerta para risco de assédio sexual

O site de viagens criou uma mensagem de alerta para os locais onde o assédio sexual ou outros incidentes relacionados tenham sido reportados. Esta ferramenta não se destina apenas a alertar para casos de assédio sexual — a mensagem está já em três resorts no México –, mas também para problemas de saúde ou de segurança específicos. O TripAdvisor espera que esta identificação seja um catalisador para os locais mudarem a sua política relativa ao assédio sexual.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Quartz

Ex-CEO da Yahoo culpa a Rússia pelos três milhões de dados divulgados

Marissa Mayer foi ao Senado para falar sobre a divulgação de dados os utilizadores do Yahoo durante o período em que esteve à frente da empresa. A ex-CEO da Yahoo culpou a Rússia, dizendo que este ataque foi “patrocinado” por um Estado. Mayer defendeu os processos de defesa da empresa, mas admitiu que os ataques tão “sofisticados e persistentes” do exterior são difíceis de prevenir.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

EU Observer

União Europeia aguarda proposta do Reino Unido sobre fatura do Brexit

Os Estados-membros querem que o Reino Unido ponha um número na fatura que vai pagar para sair da União Europeia. Só depois disso é que os países querem começar a discutir um possível período de transição e o futuro das relações futuras entre o Reino Unido e a UE. Para já, falta separar os bens do divórcio: May já disse que está disposta a pagar 20 mil milhões de euros, mas Juncker já falou em números superiores a 60 mil milhões de euros.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião