IFRRU 2020 disponibiliza 1,4 mil milhões para reabilitação urbana

  • Lusa
  • 13 Novembro 2017

IFRRU 2020 já está disponível há uma semana e disponibiliza 1,4 mil milhões de euros para intervenções que se destinem à reabilitação integral de edifícios com idade igual ou superior a 30 anos.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse esta segunda-feira, em Viseu, que a aposta do Governo na reabilitação urbana é “forte e clara”.

No lançamento do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU), criado no âmbito do Portugal 2020, o ministro referiu que o Governo se preocupou em “criar as condições para que a reabilitação seja a principal forma de intervenção ao nível do edificado e do desenvolvimento urbano”.

Disponível há uma semana, o IFRRU 2020 disponibiliza 1,4 mil milhões de euros para intervenções que se destinem à reabilitação integral de edifícios com idade igual ou superior a 30 anos, de espaços e unidades industriais abandonadas e ainda a intervenções em frações privadas inseridas em edifícios de habitação social, que sejam alvo de reabilitação integral.

Aos jornalistas, no final da sua intervenção, o ministro do Ambiente salientou que o novo instrumento financeiro permite “empréstimos em condições excecionalmente vantajosas”, face às existentes no mercado (em termos de taxas de juro, maturidades e períodos de carência), com verbas vindas de diversas fontes, em que 700 milhões são fundos públicos e comunitários e os outros 700 milhões colocados por quatro bancos.

“Criar as condições para que a reabilitação seja a principal forma de intervenção ao nível do edificado e do desenvolvimento urbano é a assunção da nossa responsabilidade perante o planeta e as gerações vindouras”, frisou João Pedro Matos Fernandes. Segundo o governante, a reabilitação “em momento algum pode ser uma exceção, deve ser a regra da transformação do edificado na criação de novos espaços”.

“Há que afirmar com clareza que a reabilitação das áreas urbanas e do edificado emerge como uma abordagem por excelência para o desenvolvimento urbano sustentado”, sublinhou.

De acordo com João Pedro Matos Fernandes, os financiamentos do IFRRU 2020 destinam-se a áreas de reabilitação urbana definidas pelas autarquias, “que de forma simplificada são os centros históricos, zonas industriais abandonadas e zonas ribeirinhas”. “As autarquias têm aqui sempre um papel importante porque elas ajudam, têm de dar um parecer, no sentido de garantir que um edifício em causa está integrado numa dessas zonas”, explicou.

Os interessados já podem preparar o acesso ao financiamento, sendo exigido apenas três passos: obtenção de parecer de enquadramento da operação pela Câmara Municipal, obtenção do certificado energético e preparação do pedido de financiamento a apresentar aos bancos selecionados, informou o Ministério do Ambiente, que tutela a área da habitação e reabilitação urbana.

De acordo com a tutela, como entidades gestoras financeiras foram selecionadas as instituições bancárias Santander Totta, BPI, Millennium BCP e Popular Portugal e para o instrumento de contragarantia foi selecionado o Fundo de Contragarantia Mútuo, “com a concordância de todos os organismos com assento no Comité de Investimento do IFRRU 2020”.

Os interessados no financiamento para projetos de reabilitação urbana podem consultar a página da internet do Portal da Habitação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IFRRU 2020 disponibiliza 1,4 mil milhões para reabilitação urbana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião