Greves parciais de professores poderão ser levantadas na terça-feira

  • Lusa
  • 20 Novembro 2017

Greve aos primeiros tempos da componente letiva de cada professor já tinha sido desconvocada. Na terça-feira, os sindicatos poderão também levantar a greve parcial à componente não letiva do horário.

A greve às primeiras horas da componente letiva de cada professor já foi desconvocada e, na terça-feira, os sindicatos poderão também levantar a greve parcial à componente não letiva do horário dos docentes.

A Federação Nacional de Educação (FNE) tinha convocado uma greve à primeira hora de trabalho entre os dias 13 e 27 de novembro como forma de protesto à proposta do próximo Orçamento do Estado que não previa a contagem do tempo de serviço congelado ao longo dos últimos nove anos, quatro meses e dois dias.

No entanto, na madrugada de sábado, depois de uma maratona negocial de dez horas, Governo e sindicatos da educação chegaram a um compromisso: o tempo de serviço congelado será considerado para efeitos de progressão e o processo deverá estar concluído até ao final da próxima legislatura.

Tendo em conta os resultados conseguidos, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, anunciou o levantamento da greve aos primeiros tempos/horas da componente letiva de cada docente.

Neste momento, FNE e Federação Nacional dos Professores (Fenprof) mantêm apenas a greve parcial à componente não letiva do horário dos docentes, que poderá ser desconvocada na terça-feira no final da reunião no Ministério da Educação, anunciou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, em declarações à Lusa.

Na agenda do encontro de terça-feira estão o acesso dos professores aos 5.º e 7.º escalões, a discussão de concursos assim como a calendarização da discussão dos horários de trabalho que permitirá ter efeitos no próximo ano letivo.

“Amanhã (terça-feira) poderemos levantar a greve à componente não letiva”, concluiu Mário Nogueira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greves parciais de professores poderão ser levantadas na terça-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião