Nos “não aceita” recomendação da Anacom para fim de contrato com Estado

Na sexta-feira, a Anacom recomendou ao Governo o fim do contrato com a Nos relativo ao serviço universal de telefone fixo, por só ter dois clientes. A Nos foi "surpreendida" com o comunicado.

A operadora Nos foi “surpreendida” pelo comunicado da Anacom que recomenda ao Governo o fim do contrato de serviço universal de telefone fixo por este só ter dois clientes. A empresa refere que “procedeu a um avultado investimento em infraestruturas e meios para assegurar” esse serviço e, por isso, “não aceita, nem compreende, como pode a Anacom vir agora pôr em causa” o contrato com o Estado, diz em comunicado.

Na última sexta-feira, a Anacom defendeu que o contrato que dá à Nos a responsabilidade de garantir um serviço de telefone fixo universal, pelo qual a empresa já recebeu “um valor total de 3,05 milhões de euros”, deve ser revogado “por mútuo acordo”. Em causa, o facto de esse serviço só ter “dois clientes”, referiu a entidade liderada por João Cadete de Matos.

Uma decisão que não caiu bem junto da Nos. A operadora queixa-se, desde logo, de ter tido conhecimento da informação pelos jornais, não tendo sido notificada em antecipação. “Para a Nos é inaceitável que a opinião do regulador se transmita, em primeira mão, sem o conhecimento prévio dos contraentes e através da comunicação social”, lê-se numa resposta da operadora, enviada às redações esta sexta-feira.

A operadora recorda que, através do contrato, “está obrigada, pelo período de cinco anos, a disponibilizar, a disponibilizar, a qualquer pessoa e em qualquer ponto do país, o serviço fixo de telefone, em condições de preço acessíveis e com os níveis de qualidade aí definidos”. Para isso, garante ter feito “um avultado investimento em infraestruturas e meios para assegurar um serviço universal de telefone fixo efetivamente acessível e disponível à expectável procura por parte do mercado-alvo definido pela Anacom”. O público-alvo definido são cidadãos “reformados e pensionistas”.

Ora, o serviço, segundo o regulador, tem apenas dois clientes. Sem reconhecer explicitamente esse facto, a Nos reitera que é a única com “toda a legitimidade para se sentir defraudada nas expectativas com que se apresentou a concurso e se preparou para este contrato”. A empresa lembra que “apresentou a concurso um preço de 11,9 milhões de euros para assegurar o investimento que fosse necessário para responder a todos os pedidos de ligação”.

Num Estado de Direito, os contratos celebrados são para serem pontualmente cumpridos.

Nos

Em comunicado

Estado não teve “qualquer encargo” com o serviço

A Nos vai ainda mais longe e classifica de “inconcebível e incompreensível” esta decisão da Anacom, uma vez que “a totalidade do financiamento da prestação do serviço universal é integralmente suportado pelos operadores do setor”. “Logo, o Estado Português não teve, nem tem, qualquer encargo com este serviço e com a execução do contrato”, indica a operadora, aludindo ao Fundo de Compensação do Serviço Universal, para o qual contribuem todas as operadoras e do qual a Nos recebeu, pelo serviço prestado em 2014 e 2015, 3,05 milhões de euros, 870.000 pagos pela própria.

Neste sentido, a operadora liderada por Miguel Almeida indica que “nem a lei nem o contrato permitem que as circunstâncias invocadas pela Anacom conduzam ao fim da relação contratual que existe entre o Estado Português e a Nos, cujas regras foram fixadas por uma portaria do Governo, tendo o contrato obtido o visto do Tribunal de Contas”, lê-se no comunicado. E acrescenta: “Num Estado de Direito, os contratos celebrados são para serem pontualmente cumpridos e a Nos está certa de que esse mesmo princípio é secundado pelo Estado Português e pelo atual Governo.”

A operadora continua, dizendo: “Ao longo dos anos, a regulação do setor foi construída ou privilegiou o diálogo entre a Anacom e todas as entidades representativas dos interesses do setor, incluindo os operadores. A promoção da participação na regulação pelos diferentes stakeholders foi permitindo adequar a regulação às reais necessidades do setor, do consumidor e dos cidadãos, contribuindo para um setor competitivo, dinâmico, inovador e sustentável, um exemplo em Portugal e no mundo.” E conclui: “Assim, é deveras surpreendente este novo modus operandi da Anacom.”

(Notícia atualizada às 12h48 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nos “não aceita” recomendação da Anacom para fim de contrato com Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião