Costa: Eurogrupo reconhece esforço do país ao eleger Centeno

  • Marta Santos Silva
  • 4 Dezembro 2017

"A combinação de políticas que conseguimos adotar tem vindo a ter bons resultados", afirmou o primeiro-ministro, o que a Europa reconheceu. "Esse reconhecimento valoriza a posição de Portugal".

António Costa considera que a eleição de Mário Centeno para presidir o Eurogrupo tem uma importância simbólica, e trata-se de um sinal de reconhecimento, por parte da União Europeia, de que a política financeira portuguesa tem resultado. “Esse reconhecimento valoriza a posição de Portugal, e temos razões para estar satisfeitos com isso”, acrescentou, em declarações transmitidas pelas televisões.

“O facto de termos a presidência do Eurogrupo é importante de um ponto de vista simbólico”, afirmou o primeiro-ministro. “Convém não esquecer de onde viemos”, disse, enumerando que o país tinha passado por um programa de ajustamento, um procedimento por défice excessivo, e tinha depois tido uma maioria parlamentar “que diziam pôr em risco a credibilidade do Estado português”. No entanto, referiu Costa, “a combinação de políticas que conseguimos adotar tem vindo a ter bons resultados”.

António Costa disse ainda já ter falado com Mário Centeno, que se mostrou entusiasmado por exercer o novo posto. “Está muito motivado, como sabem ele é uma personalidade serena e calma”, disse aos jornalistas.

Questionado sobre possíveis diferenças que possam vir aí na política interna portuguesa, como um maior rigor orçamental agora que o ministro das Finanças dirige o órgão europeu informal que reúne os seus homólogos da zona euro, Costa afastou a hipótese.

“As regras são as regras e a nossa política orçamental está definida desde a primeira hora”, disse. “Primeiro, cumprir as regras da União Europeia, contribuir para a reforma da zona euro, mas dando prioridade à devolução de rendimentos das famílias e à estabilização do nosso sistema financeiro, o que tem permitido mais crescimento, melhor emprego, maior igualdade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: Eurogrupo reconhece esforço do país ao eleger Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião