Junta em Penafiel dá instalações e contrata funcionário para manter CTT

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2018

A Junta de Freguesia de Termas de São Vicente, em Penafiel, vai contratar funcionar e disponibilizar instalações para manter serviços dos CTT naquela localidade.

A Junta de Freguesia de Termas de São Vicente, Penafiel, vai contratar pessoal e disponibilizar instalações para manter os serviços dos CTT naquela localidade, revelou o presidente. José Barbosa Soares explicou que a junta terá de contratar um funcionário que se vai juntar a outra pessoa que já presta serviços na loja do cidadão das Termas de São Vicente.

O autarca referiu que aquela foi a solução encontrada para o problema, depois de os CTT terem informado que a estação da localidade estaria entre as 22 que a empresa pretendia encerrar.

A freguesia e os CTT vão celebrar um protocolo que definirá os termos concretos do entendimento, estando garantido que, frisou o presidente, todas as valências vão funcionar.

“Fizemos um acordo com os CTT e vamos ter os serviços, com todas as valências, a funcionar na loja do cidadão, no edifício da junta de freguesia”, realçou José Barbosa Soares.

Questionado sobre o esforço financeiro que a junta terá de suportar, o autarca das Termas de São Vicente admitiu que “terá de ser feito um acerto aqui ou ali e um esforço da junta”.

A loja dos CTT das Termas de São Vicente, localizada a cerca de 18 quilómetros da sede do concelho, é muito importante para a população do sul do município de Penafiel, servindo muitos milhares de habitantes.

Conforme o ECO avançou em primeira mão, além da loja das Termas de São Vicente, os CTT preveem fechar os seguintes balcões: Junqueira, Avenida (Loulé), Universidade (Aveiro), Socorro (Lisboa), Riba d’Ave (Famalicão), Paços de Brandão (Santa Maria da Feira), Lavradio (Barreiro), Galiza (Porto), Freamunde, Filipa de Lencastre (Belas), Olaias (Lisboa), Camarate (Loures), Calheta (Ponta Delgada), Barrosinhas (Águeda), Asprelas (Porto), Areosa (Porto), Araucária (Vila Real), Alpiarça (Santarém), Alferrarede (Abrantes), Aldeia de Paio Pires (Seixal) e Arco da Calheta (Madeira).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Junta em Penafiel dá instalações e contrata funcionário para manter CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião