Seis anos depois, ERSE volta a inspecionar contadores da luz

  • ECO
  • 8 Janeiro 2018

O regulador quer "garantir a supervisão adequada ao bom funcionamento dos contadores", depois de ter detetado anomalias em vários contadores da EDP Distribuição na última inspeção, há seis anos.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) vai voltar a inspecionar os contadores da eletricidade dos consumidores seis anos depois da última auditoria. O regulador diz querer garantir a “supervisão adequada ao bom funcionamento dos contadores”. Isto depois de na última inspeção ter detetado anomalias em vários aparelhos da EDP Distribuição.

“A ERSE prevê para breve a realização de novas auditorias aos contadores”, refere fonte oficial do regulador ao Jornal de Negócios, mas sem indicar uma data para esta inspeção. É a EDP Distribuição que detém quase todos os contadores de luz em Portugal continental: cerca de seis milhões de contadores. Já nas regiões autónomas, os contadores são detidos pela Empresa de Electricidade da Madeira (EEM) e à Electricidade dos Açores (EDA).

"A ERSE prevê para breve a realização de novas auditorias aos contadores.”

Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos

Com esta nova auditoria, o regulador explica que quer “garantir a supervisão adequada ao bom funcionamento dos contadores, das leituras efetuadas, da correção de anomalias, do cumprimento dos procedimentos de reporte e registo interno de todas as situações relacionadas com anomalias de contagem e de medição e sua correção”.

A última inspeção decorreu entre 2011 e 2012. Nessa altura, a ERSE detetou anomalias em vários aparelhos da EDP Distribuição, o que levou o regulador a determinar que a empresa teria de devolver 11 milhões de euros aos consumidores. Desse montante, a EDP Distribuição acabou por devolver quatro milhões, contestando os restantes sete milhões em tribunal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis anos depois, ERSE volta a inspecionar contadores da luz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião