Sérvulo organiza conferência sobre Corporate Governance

Nomes como Eduardo Catroga, Gabriela Figueiredo Dias, José Almaça e António Gomes Mota fazem parte do painel de oradores.

A Mercer, consultora nas áreas de talentos, benefícios, pensões e investimentos e a Sérvulo & Associados, sociedade de advogados, realizam no próximo dia 24 janeiro, no Sana Lisboa Hotel, em Lisboa, uma conferência sobre Remuneração de Executivos e Corporate Governance, onde vão ser apresentadas as principais tendências sobre o tema.

“O mundo em que vivemos é, cada vez mais, VUCA – Volatile, Uncertaint, Complex and Ambiguous, o que exige, atualmente, um esforço permanente de adaptação e transformação por parte das empresas e demais stake holders. A grande questão passa por perceber se estarão os modelos de Corporate Governance e de Remuneração de Executivos adaptados a esta nova realidade”, explica comunicado do escritório enviado à Advocatus.

O evento, terá como foco principal uma abordagem prática e interdisciplinar de temas fundamentais, no que concerne à matéria remuneratória, em ligação com as orientações corporate governance subjacentes, contando com a intervenção de diversos especialistas e reguladores.

No decorrer da conferência, terão lugar dois painéis cujos temas incidem sobre “A Visão dos Acionistas e das Comissões de Remunerações” e “A Visão dos Reguladores”, que darão uma perspetiva global e aprofundada sobre os modelos adequados, face à presente realidade empresarial e económica.

Destaca-se ainda o painel de oradores que será composto por responsáveis como Diogo Alarcão, CEO da Mercer Portugal, Eduardo Catroga, Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, Pedro Mello, Vice-Presidente do Grupo José de Mello, José Gonçalo Maury, Presidente do Conselho de Remunerações e Previdência do Millennium BCP, Paulo Câmara, Managing Partner da Sérvulo & Associados, Gabriela Figueiredo Dias, Presidente da CMVM, José Almaça, Presidente da ASF e António Gomes Mota, Presidente do Instituto Português de Corporate Governance.

Trata-se de um evento que seguramente marcará a diferença no que se refere aos temas abordados, em contexto VUCA, que caracteriza a realidade que vivemos atualmente e que acaba por ser transversal a todas a áreas da sociedade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sérvulo organiza conferência sobre Corporate Governance

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião