Chineses da TAP admitem que estão a passar por uma crise financeira

O grupo chinês HNA admitiu estar a passar por uma crise financeira, no entanto, acredita que vai ultrapassar esse mau momento financeiro.

Os acionistas chineses da TAP admitem estar a passar por uma crise financeira, em parte devida à elevada dívida e às dificuldades de financiamento. Ainda assim, o HNA Group está confiante de que conseguirá superar esses problemas financeiros, da mesma maneira que continuará a ser apoiado por bancos e outras instituições.

Chen Feng, o chairman do conglomerado chinês, admitiu à Reuters (conteúdo em inglês) a crise financeira que está a atravessar, explicando que, na base disso, está um “grande número de fusões” feitas pela empresa, numa altura em que o ambiente financeiro externo se tornou mais desafiante e a economia da China “passou de um crescimento rápido a moderado”, o que dificultou o acesso a financiamentos.

A somar estão também outros fatores, como “a subida dos juros por parte da Reserva Federal e a desalavancagem na China“, explicou Feng, acrescentado que isso originou “problemas de liquidez no final do ano passado a muitas empresas do país”. Ainda assim, nada está perdido e afirma estar confiante de que irá “superar as dificuldades e manter um desenvolvimento sustentável, saudável e estável”.

Nas últimas semanas foram vários os bancos a mostrarem-se preocupados com a situação da HNA, nomeadamente em relação à falta de reembolso de algumas obrigações, incluindo pagamentos de arrendamentos de aeronaves, e ao aumento da dívida da empresa. E, tendo isso em conta, a Reuters destaca que esse reconhecimento da situação por parte de um responsável da empresa foi algo raro de acontecer. No passado mês de novembro, o presidente da HNA adiantou que a empresa estava a vender alguns imóveis e outros ativos, numa tentativa de melhorar a sua liquidez.

“O nosso negócio tornou-se tão grande que precisamos de melhorar a eficiência”, disse Feng. “O objetivo a longo prazo permanece inalterado, que é tornarmo-nos numa empresa de classe mundial”, disse. A alavancagem da HNA deixou em alerta alguns analistas, assim como a sua “política de financiamento agressiva”, o que levou a S&P a baixar, em novembro, o rating da empresa. A sua dívida cresceu mais de um terço nos primeiros 11 meses do ano passado, para um total de 637,6 mil milhões de yuan (81 mil milhões de euros).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses da TAP admitem que estão a passar por uma crise financeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião