CGD condenada a coima de 140 mil euros. Banco de Portugal queria mais

  • Lusa
  • 8 Fevereiro 2018

A Caixa foi condenada pela prática de 47 contraordenações a título doloso ou negligente. O Banco de Portugal tinha identificado 50 ilícitos e queria coima de 175 mil euros.

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, condenou a Caixa Geral de Depósitos numa coima única de 140.000 euros pela prática de 47 contraordenações, a título doloso ou negligente.

Em comunicado, a Procuradoria do Ministério Público da Comarca de Santarém afirma que a sentença foi proferida, no passado dia 2, no âmbito da impugnação da decisão administrativa do Banco de Portugal, que tinha aplicado uma coima única de 175.000 euros, pela prática de 50 ilícitos.

Estão em causa as infrações de execução de operação de pagamento não consentida pelo utilizador do serviço de pagamento, o incumprimento da obrigação de reembolso do montante de operação de pagamento não autorizada, a violação dos deveres de conduta, o bloqueio indevido de um instrumento de pagamento, o incumprimento da obrigação de comunicação de bloqueio de um instrumento de pagamento, a resolução indevida do contrato de crédito e a redução do limite do cartão de crédito sem comunicação prévia.

O Ministério Público, que defendeu a manutenção da coima inicialmente aplicada, conformou-se com a redução decidida pelo TCRS, “face à valoração dos factos considerados provados e não provados em audiência”, acrescenta a nota.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD condenada a coima de 140 mil euros. Banco de Portugal queria mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião