PLMJ reforça equipa de Corporate M&A com duas novas associadas

A PLMJ anuncia a integração de duas novas associadas para a equipa liderada por Diogo Perestrelo: Ânia Ferreira Cruz e Rita Braga Themido.

A PLMJ anuncia a integração de duas novas associadas para a equipa liderada por Diogo Perestrelo: Ânia Ferreira Cruz e Rita Braga Themido.

A área de PLMJ Corporate M&A passa assim, a contar com um total de 49 advogados, a atuar nas áreas de fusões e aquisições e nos setores da energia, transportes e infra-estruturas, turismo, distribuição, aviação.

Ânia Ferreira Cruz, iniciou a sua carreira na Linklaters onde focou a sua experiência em operações de M&A, privatizações, restruturações e project finance. Passou pelo Novo Banco onde trabalhou em operações de alienação de ativos, fusões e aquisições, bem como em operações de mercado de capitais e produtos financeiros.

Rita Braga Themido, transita da Uria Menendez – Proença de Carvalho onde assessorou maioritariamente com as áreas de bancário, seguros, societário e M&A.

Segundo Diogo Perestrelo “estas duas contratações refletem a aposta de PLMJ na área de Corporate M&A, através de uma equipa multidisciplinar que se tem vindo a assumir como líder em assessorias jurídicas em grandes operações nacionais, bem como de cross-border”.

O reforço da capacidade de resposta de PLMJ é uma preocupação tranversal a todos as áreas da sociedade, através do crescimento orgânico, complementado com uma política de lateral hirings de profissionais de prestígio e com forte especialização, apostando em equipas com um forte track-record nacional e internacional.

A equipa de Corporate M&A de PLMJ lidera alguns dos rankings e diretórios internacionais, como é o caso da Chambers and Partners e do The Legal 500, ambos em Tier 1 e foi recentemente distinguida pelo TTR (Transactional Track Record) no ranking referente a 2017, que colocou a PLMJ como líder nacional em M&A e Private Equity, não só em número de advogados distinguidos como em número de transações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PLMJ reforça equipa de Corporate M&A com duas novas associadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião