MLGTS assume liderança do Grupo de Gaming da Lex Mundi

Rui Proença, sócio da MLGTS e da MdME (Macau), assumiu recentemente o cargo de chair do grupo de trabalho da rede internacional Lex Mundi dedicado ao setor do jogo (Gaming Steering Group).

Rui Proença, sócio da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS) e da MdME (Macau), assumiu recentemente o cargo de chair do grupo de trabalho da rede internacional Lex Mundi dedicado ao setor do jogo (Gaming Steering Group), liderando o grupo em colaboração com os respetivos coordenadores locais. João Alfredo Afonso, também sócio da MLGTS, mantém-se como representante para a região EMEA (Europe, Middle East, Africa).

A MLGTS é, desde 2001, o membro exclusivo em Portugal da rede Lex Mundi, a principal associação de sociedades de advogados independentes, presente em mais de 100 países e com mais de 21.000 advogados associados.

No âmbito do setor do jogo, a participação da MLGTS na Lex Mundi tem sido particularmente intensa, refletindo o trabalho da rede MLGTS Legal Circle neste setor concreto, sobretudo com a grande experiência em Macau e Portugal, mas também como novas oportunidades registadas no mercado português e alterações legislativas relevantes noutras jurisdições. Em 2017, a rede MLGTS Legal Circle, que inclui Portugal, Angola, Moçambique e Macau, participou no primeiro guia multijurisdicional de direito do jogo, uma publicação interativa da Lex Mundi.

A MLGTS Legal Circle é a única rede de sociedades de advogados lusófona com esta área de atividade nas diferentes jurisdições de língua oficial portuguesa, oferecendo um know how consolidado e internacional, com uma equipa transversal às várias jurisdições.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MLGTS assume liderança do Grupo de Gaming da Lex Mundi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião