UGT está de acordo com as mudanças laborais propostas pelo Governo. Mas quer ir mais além

  • Lusa
  • 25 Março 2018

Carlos Silva, da UGT, disse que as propostas de alteração à legislação laboral propostas pelo Governo na sexta-feira são um "bom ponto de partida". Mas quer ir "mais além".

A União Geral de Trabalhadores (UGT) assegurou este domingo concordar com as propostas de alteração à legislação laboral apresentadas na sexta-feira pelo Governo, argumentando que este é um “bom ponto de partida” para ir mais além. “Nós estamos de acordo com a proposta que o Governo apresentou, achamos é que podia ir mais além”, disse o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, que falava na sessão de encerramento do congresso do Sindicato da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (SINTAP), em Lisboa.

Apontando que o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que “este é um primeiro passo para se poder, eventualmente, obter um acordo de Concertação Social sobre algumas matérias”, Carlos Silva classificou este conjunto de propostas como “um bom ponto de partida”. “E, se conseguirmos ir mais além, iremos mais além”, vincou, aludindo a um pacote que inclui medidas como a redução da duração máxima dos contratos a prazo de três para dois anos, a criação de uma taxa de rotatividade progressiva entre 1% e 2% para as empresas que abusem dos contratos a termo certo ou o fim do banco de horas individual, entre outras propostas.

O líder da UGT aproveitou também a ocasião para “defender a verdade”, respondendo a declarações feitas no sábado pelo secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, que disse que o apelo do Governo a uma flexibilização laboral permitindo salários abaixo dos mínimos legais é um raciocínio ao estilo “lei da selva”. “Não vou defender o Governo, vou defender a verdade, e nunca em momento algum — durante a reunião da Concertação Social, antes ou depois — veio o ministro [Vieira da Silva] ou os seus dois secretários de Estado afirmar, como veio dizer o secretário-geral da CGTP, que o Governo propôs em Concertação Social uma flexibilização da negociação coletiva para poder negociar salários abaixo do código de trabalho”, salientou Carlos Silva, falando numa “mentira”.

Esta questão também foi desmentida pelo secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, que, intervindo na sessão, indicou que “as propostas não incluem matérias que não poderiam nunca incluir, nem isso fazia parte, como baixar salários em relação à lei”. “Isso está amplamente consagrado como princípio no código de trabalho”, disse.

Já aludindo às reivindicações da UGT e do SINTAP (afeto àquela União Geral) para a administração pública, Carlos Silva sublinhou que “os funcionários públicos são iguais aos do privado”. “Criar […] uma diferenciação entre aquilo que é o público e o privado é um erro tremendo”, vincou, considerando ainda que “aquilo que se exige hoje para os trabalhadores da administração pública não é nada de outro mundo nem é a lua, é apenas a reposição de um conjunto de questões que ficaram congeladas”.

Neste congresso, José Abraão voltou a ser eleito secretário-geral do SINTAP, prometendo reivindicar aumentos salariais para os funcionários públicos já em 2019, melhores carreiras, um vínculo laboral único e a negociação de um acordo plurianual com o Ministério das Finanças. Também por isso, o sindicalista apresentou um Programa de Ação e Política Reivindicativa para o próximo quadriénio, que foi aprovado. “Na administração pública houve uma efetiva redução dos salários, uma efetiva perda do poder de compra e é por isso que nós não podemos abdicar de [incluir isso] no nosso caderno reivindicativo”, justificou.

De acordo com José Abraão, o SINTAP “tudo fará” para que estas exigências sejam respondidas, razão pela qual mantém “a disponibilidade total para a luta, ou sozinho ou com outras organizações sindicais, desde a greve setorial à greve geral”. “Não devemos excluir que, se a política não passar por uma viragem de página no que diz respeito à forma como têm sido olhados os nossos problemas, estaremos disponíveis para realizar essa greve”, adiantou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UGT está de acordo com as mudanças laborais propostas pelo Governo. Mas quer ir mais além

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião