Ações dos CTT derrapam após corte de avaliação do Barclays

Barclays esmagou avaliação dos CTT em 21% e as ações ressentem-se disso: estão a cair para o valor mais baixo desde novembro. Há dúvidas em relação ao plano de reestruturação do operador.

As ações dos CTT CTT 0,22% estão sob pressão vendedora depois de o Barclays ter cortado a avaliação do título do operador postal português em 21%. Analistas falam em incerteza quanto ao plano de reestruturação que visam poupanças de 45 milhões em 2020.

Os CTT cediam há momentos 1,66% para 3,076 euros. É o valor mais baixo desde novembro do ano passado. Mais de 700 mil papéis já tinham rodado de mãos nas primeiras duas horas de negociação em Lisboa, cerca de metade do volume diário normal dos últimos três meses, o que dá uma ideia da forte aversão ao risco da parte do mercado em relação à empresa liderada por Francisco Lacerda.

Esta evolução surge depois de o banco Barclays ter cortado esta manhã o preço-alvo dos CTT em 21% para 3,00 euros.

“Os CTT hoje estão a cair bastante, pressionados pelo corte da Barclays ao preço-alvo da empresa, uma vez que, diz o Barclays, existe muita incerteza à volta do plano de reestruturação”, disse Paulo Rosa, trader da GoBulling, citado pela Reuters.

"Os CTT hoje estão a cair bastante, pressionados pelo corte da Barclays ao preço-alvo da empresa, uma vez que, diz o Barclays, existe muita incerteza à volta do plano de reestruturação.”

Paulo Rosa

Trader da Go Bulling

No âmbito deste plano de reestruturação, os CTT vão rescindir com 800 trabalhadores até final de 2020 e reduzir ainda o número de estações de correio. O objetivo passa por alcançar poupanças anuais de 45 milhões de euros no horizonte deste plano que termina em 2020 e contempla ainda cortes nos salários da administração e nos dividendos. A remuneração aos acionistas deste ano será de 38 cêntimos por ação, menos 20% face ao ano passado. E é intenção de Francisco Lacerda continuar a ajustar o dividendo ao resultado líquido nos próximo anos, abrindo a porta a mais cortes.

Os CTT viram o lucro afundar mais de 50% para 27 milhões de euros em 2017, por causa da quebra do tráfego postal, dos encargos com a saída de pessoal e a integração da empresa Transporta no grupo CTT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações dos CTT derrapam após corte de avaliação do Barclays

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião