Número de hotéis em Lisboa quase duplica em 10 anos

  • Lusa
  • 7 Abril 2018

O maior aumento de unidades hoteleiras aconteceu entre 2014 e 2015, com 23 novos hotéis a abrirem na cidade.

O número de hotéis de três, quatro e cinco estrelas na cidade de Lisboa quase duplicou no espaço de 10 anos, segundo dados disponibilizados à agência Lusa pela Associação Turismo de Lisboa (ATL).

De acordo com os dados, a capital lisboeta contava com 105 unidades hoteleiras desta tipologia em 2008, sendo que em 2017 passou a ter 204 hotéis, um crescimento que na ótica do diretor-geral da ATL, Vítor Costa, trouxe ao país “alguma riqueza” e impediu que Portugal continuasse “a empobrecer”. O maior aumento de unidades hoteleiras aconteceu entre 2014 e 2015, com 23 novos hotéis a abrirem na cidade, o que representa um acompanhamento do crescimento da procura, disse Vítor Costa, em declarações à Lusa.

“Há aqui uma evolução que nos torna um destino turístico hoje com um peso muito diferente daquele que tínhamos inicialmente, com impactos positivos a nível económico, a nível do peso para a economia regional, das exportações, do emprego”, notou o diretor-geral da ATL.

Eu penso que se tirarmos o turismo os transportes públicos não ficam melhores, o problema da habitação não fica resolvido, os bairros históricos irão degradar-se como estavam no processo anterior e ficamos todos mais pobres.

Vítor Costa

Diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa (ATL)

De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), está prevista a abertura de 61 hotéis em Portugal este ano, 25 dos quais em Lisboa. A região de Lisboa vai receber 29 novas unidades hoteleiras, sendo que apenas quatro não estarão dentro da cidade.

Questionado sobre se poderia haver uma sobrelotação de hotéis na cidade, Vítor Costa defendeu que não concorda, apesar de destacar que “há necessidade de este crescimento ser gerido para que seja sustentável”. “Eu penso que se tirarmos o turismo os transportes públicos não ficam melhores, o problema da habitação não fica resolvido, os bairros históricos irão degradar-se como estavam no processo anterior e ficamos todos mais pobres”.

“Ninguém consegue responder se há turismo a mais, se há turismo a menos. Se eu for para a fila do Mosteiro dos Jerónimos na hora de ponta digo que há turismo a mais porque tenho muita gente à minha frente para entrar”, vincou, acrescentando que “o mais importante não é discutir se há a mais ou a menos, mas como é que podemos gerir e continuarmos a desenvolver o turismo positivamente”.

Ainda assim, Vítor Costa advogou que é importante melhorar a “acessibilidade e a mobilidade” na cidade, nomeadamente em relação às infraestruturas aeroportuárias e à melhoria do serviço do Metro de Lisboa e da Carris.

Relativamente ao preço médio por quarto nos hotéis de três, quatro e cinco estrelas, os dados do Turismo de Portugal dão conta que em 2017 a estadia num quarto de hotel em Lisboa custava em média 103 euros, o valor mais alto em 10 anos.

Também a procura tem aumentado, com a taxa de ocupação por quarto a rondar os 81%, significando a maior taxa de ocupação registada entre 2008 e 2017.

Crescimento hoteleiro em Lisboa é “positivo”, mas necessita de “reflexão séria”

A Ordem dos Arquitetos considera que o crescimento hoteleiro em Lisboa é “positivo”, mas alerta para a velocidade com que muitas modificações estão a ser feitas, defendendo, por isso, “uma reflexão séria”.

“O problema não é propriamente o haver mais hotéis. Lisboa tinha poucos hotéis e em Portugal, de um modo geral, havia poucos hotéis. É natural que tenha havido um ‘boom’ de crescimento dos hotéis, o problema é que vieram na maior parte dos casos substituir coisas que preexistiam, que em muitos casos eram habitações não ocupadas, mas também ocupadas”, disse à agência Lusa o presidente da Ordem dos Arquitetos, José Manuel Pedreirinha.

No entender de José Manuel Pedreirinha, este crescimento implica “toda uma modificação muito profunda na cidade”, que exige reflexão por parte das autarquias, arquitetos, sociólogos, economistas e até advogados. O presidente da Ordem dos Arquitetos disse ainda que receia que “essa reflexão venha a ser feita quando houver alguns disparates já difíceis de resolver”.

“Se houver um sismo, uma estrutura de um pequeno prédio pode afetar os prédios ao lado que estavam preparados para um tipo de estrutura e que ao ter ali uma estrutura diferente os pode afetar”, exemplificou. “Estou um pouco preocupado por essas transformações estarem a andar a um ritmo, a uma velocidade e com uma intensidade que me parece perigosamente grande”, reiterou, acrescentando que se o turismo se reduzir “estas estruturas [hotéis] vão ficar completamente vazias e difíceis de se adaptar para outras coisas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de hotéis em Lisboa quase duplica em 10 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião