Cofundador da Apple junta-se ao movimento #deletefacebook

Steve Wozniak mostrou-se contra o modelo de negócio do Facebook, onde o produto são os utilizadores, defendeu. Para o cofundador da Apple, melhor era pagar do próprio bolso pelo uso da rede social.

Steve Wozniak ajudou Steve Jobs a fundar a Apple. Hoje, é uma das empresas mais valiosas em todo o mundo.Wikimedia Commons

O cofundador da Apple, Steve Wozniak, vai apagar a sua página no Facebook, onde conta com um público de mais de 230.000 pessoas. A decisão surge na sequência do escândalo do uso indevido de dados pessoais de 87 milhões de utilizadores da rede social por parte da consultora Cambridge Analytica.

Citado pelo jornal USA Today, Steve Wozniak defendeu que preferia pagar do próprio bolso pelo uso da rede social ao invés de ver os seus dados serem explorados para segmentação de publicidade. “Os utilizadores partilham todos os detalhes das suas vidas com o Facebook e o Facebook faz imenso dinheiro da publicidade com isto. As receitas baseiam-se todas nas informações dos utilizadores, mas estes não recebem lucros de volta”, disse.

A Apple lucra a partir de bons produtos e não a partir de si. Como se costuma dizer, no Facebook, é você o produto.

Steve Wozniak

Cofundador da Apple

Tim Cook, presidente executivo da Apple, também tem vindo a criticar o modelo de negócio do Facebook. Recentemente, disse que a publicidade que segue os utilizadores pela internet fora é “assustadora”. No entanto, Steve Wozniak, antigo parceiro de Steve Jobs, foi mais além: “A Apple lucra a partir de bons produtos e não a partir de si. Como se costuma dizer, no Facebook, é você o produto”, alertou o cofundador da fabricante do iPhone.

À hora de publicação deste artigo, a página de Steve Wozniak permanecia ativa na rede social. Se Steve Wozniak apagar realmente a sua página no Facebook, junta-se a uma série de outras pessoas e marcas que optaram por seguir a mesma via. Entre elas estão as páginas da SpaceX e da Tesla, apagadas pelo multimilionário Elon Musk, e as páginas da revista Playboy, por exemplo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofundador da Apple junta-se ao movimento #deletefacebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião