FMI alerta para efeito dominó com subida dos preços das casas

Fundo avisa que a subida dos preços das casas nas principais economias está cada vez mais interligada e isso deixa mercados domésticos mais vulneráveis a choques externos.

É uma espécie de efeito dominó que governos e bancos centrais não podem ignorar: as subidas dos preços das casas estão cada vez mais interligadas pelo que choques numa parte do mundo podem ter implicações sérias nos mercados domésticos, alerta o Fundo Monetário Internacional (FMI). E Portugal pode estar no epicentro de um eventual terramoto no mercado imobiliário.

O alerta é deixado pelo Fundo num dos capítulos analíticos do World Economic Outlook divulgados esta terça-feira: “Os decisores políticos não podem ignorar a possibilidade de choques nos preços das casas em qualquer lado poderem afetar mercados domésticos”.

No capítulo dedicado ao tema “Sincronização dos preços das casas: qual o papel dos fatores financeiros”, os experts analisam como a subida dos preços das casas em várias economias avançadas, incluindo Portugal, estão relacionadas entre si. Dizem que estas interligações mundiais podem ser benéficas, mas há um senão: “Uma sincronização mais elevada poderá ser o resultado de condições financeiras globais a influenciar as dinâmicas dos preços e dos mercados de habitação locais, propagando assim choques económicos e financeiros locais”, avisa.

“Embora sincronização nos preços das casas possa não justificar uma intervenção política, os resultados deste capítulo sugerem que uma elevada sincronicidade dos preços das casas pode sinalizar um risco negativo para a atividade económica“, sublinha o Fundo.

Portugal parece estar no centro desta teia internacional: a subida dos preços das casas no país parece estar intimamente ligada às subidas dos preços das casas sobretudo nos EUA, Reino Unido e Espanha. Mas o mercado português está longe de ser o único a evidenciar muitas ligações com outros mercados.

Interligação entre preços das casas nas diferentes economias.Fonte: FMI

Estas conclusões ganham maior relevância observando aquilo que tem sido o comportamento dos preços das casas em vários pontos do mundo. Se em Lisboa os preços das casas têm crescido a um bom ritmo, o mercado nacional apresentou valorizações bem mais expressivas.

Subidas dos preços em cidades e respetivos países.Fonte: FMI

O aumento dos preços das casas tem sido uma característica da recuperação económica em muitos países desde a crise financeira global. Mas as subidas recentes têm também acontecido num ambiente de políticas monetárias acomodatícias em muitas economias avançadas, aumentando o espetro da instabilidade financeira quando as condições financeiras se reverterem e, simultaneamente, levarem a quedas nos preços das casas“, diz o FMI.

Ainda esta segunda-feira, na despedida da vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio alertou para o risco de uma bolha no imobiliário, um cenário que exige a tomada de medidas macroprudenciais.

No capítulo hoje divulgado, os especialistas do Fundo dizem que há margem para esse nível de atuação: “As conclusões indicam que políticas macroprudenciais parecem manter alguma capacidade de influenciar a evolução dos preços das casas a nível local e também em países com mercados de casas altamente sincronizados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI alerta para efeito dominó com subida dos preços das casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião