Nos já começou a reforçar cobertura 4G no metro do Porto

Inicialmente previstos para este verão, os trabalhos de reforço da cobertura de rede móvel 4G no metro do Porto arrancaram este mês. Empresa já se encontra a fazer o mesmo no metro de Lisboa.

Depois de anunciar o reforço da cobertura de rede no metro de Lisboa, a Nos NOS 2,92% vai fazer o mesmo em 16 estações do metro do Porto, antecipando assim um trabalho que estava inicialmente “previsto para o verão”. Desta forma, o reforço da cobertura de rede móvel 4G arrancou neste mês de abril, focado em estações do metropolitano que têm “maior tráfego”.

“O projeto inclui o fornecimento de cobertura 4G dedicada nas estações e túneis mais centrais da rede de metropolitano. A rede 4G garante boas velocidades de acesso na zona de convergência das seis linhas de metropolitano que se encontram espalhadas por oito concelhos da área metropolitana (Porto, Maia, Matosinhos, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia e Gondomar) num total de 67 quilómetros”, lê-se num comunicado enviado pela operadora à comunicação social.

Em meados de fevereiro, a empresa liderada por Miguel Almeida já tinha anunciado que se encontra a instalar novos equipamentos nos túneis do metro de Lisboa, para que as linhas passem a ter cobertura de rede móvel de quarta geração, como noticiou o ECO.

Agora, o reforço estende-se também ao Porto. “Este reforço da cobertura móvel nas estações mais movimentadas da rede vai assegurar, aos 60 milhões de passageiros anuais do metropolitano do porto, um serviço móvel com melhor desempenho no que respeita à banda larga móvel”, referiu esta semana a empresa.

Cotação das ações da Nos na bolsa de Lisboa

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos já começou a reforçar cobertura 4G no metro do Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião