CTT tiram, BCP dá. Lisboa escapa a perdas

  • Juliana Nogueira Santos
  • 12 Abril 2018

Mais de metade das cotadas do principal índice nacional fecharam em terreno positivo num dia que fica para a história dos CTT. A empresa de correios chegou a negociar abaixo dos 3,00 euros.

Com a pressão entre a Rússia e os Estados Unidos a diminuir, os mercados respiraram de alívio. As bolsas europeias valorizaram, com a praça nacional a acompanhar o movimento de recuperação. Mais de metade das cotadas do principal índice nacional fecharam em terreno positivo, isto num dia que fica para a história dos CTT.

Com o presidente Donald Trump a afirmar no Twitter que um possível ataque à Síria não está nas suas prioridades imediatas, mas que continua em cima da mesa, a incerteza nos mercados dissipou-se. Por cá, o PSI-20 avançou 0,40% para 5.487,54 pontos, com alguns desempenhos contrastantes.

CTT e BCP mereceram as atenções dos investidores, mas por razões opostas. Enquanto a empresa de distribuição postal perdeu 2,57% para 3,03 euros — tendo chegado a baixar da fasquia dos 3,00 euros durante esta sessão, atingindo um mínimo histórico nos 2,97 euros –, o banco liderado por Nuno Amado avançou 3,04% para 28,16 cêntimos.

CTT castigaram, mas Lisboa não cedeu

Nas quedas, nota ainda para a Pharol, no dia em que a sua participada brasileira apresenta resultados. A empresa que detém a maioria do capital da Oi cedeu 3,75% para 19,78 cêntimos perante a perspetiva de ver a sua participação altamente diluída no âmbito do processo de reestruturação da operadora no Brasil. Jerónimo Martins e Sonae também caíram. Perderam 0,97% para 14,33 e 0,54% para 1,10 euros, respetivamente.

Ainda assim, estes deslizes não foram suficientes para desequilibrar a balança do PSI-20. À frente das subidas esteve a Mota-Engil, que já recuperou da queda de quase 8% aquando da apresentação de resultados. Avançou esta quinta-feira 4,43% para 3,42 euros.

Com subidas expressivas terminaram também a sessão os títulos da Semapa (+2,07%) e os da Altri (+0,73%). Já a F. Ramada foi a única cotada que encerrou inalterada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT tiram, BCP dá. Lisboa escapa a perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião