FMI também vê défice de 0,7%, mas não este ano. Só em 2021

O Governo prevê no Programa de Estabilidade que Portugal atinja um défice de 0,7% este ano. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que isso só aconteça em 2021.

Enquanto o Governo prevê um défice de 0,7% já este ano, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que essa meta só seja alcançada em 2021. É isso que mostram as projeções do Fiscal Monitor, um relatório do Departamento dos Assuntos Orçamentais liderado pelo ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar. Por outro lado, o Fundo está mais confiante na redução da dívida pública, pelo menos até 2020. Além disso, esta terça-feira, o FMI reviu em alta o crescimento económico de 2018 para 2,4%.

Défice entre 2018 e 2022 segundo o Governo e o FMI

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os números da entidade liderada por Christine Lagarde para o saldo orçamental divergem das previsões que o Governo traçou na sexta-feira passada no Programa de Estabilidade 2018-2022. Contudo, é preciso ressalvar que, segundo o documento do FMI divulgado esta quarta-feira, as projeções do Fundo não contam ainda com os últimos dados oficiais relativos a 2017.

“As projeções para o ano corrente têm como base o Orçamento aprovado pelo Governo, ajustado para refletir as previsões macroeconómicas da equipa do FMI”, lê-se nas “premissas” sobre o caso de Portugal. Além disso, o Fundo assinala que as “projeções depois disso [OE2018] têm como base a premissa de políticas invariantes”.

Na conferência de imprensa que se seguiu à divulgação do documento, Abdel Senhadji, um dos vice-diretores do Departamento dos Assuntos Orçamentais, admitiu que as metas do Programa de Estabilidade não chegaram a tempo de serem consideradas no exercício das projeções do FMI.

Ainda assim, olhando para os números do Fundo, é possível concluir que, caso se concretizem, Portugal não terá um excedente orçamental nos próximos cinco anos. Já o Governo prevê que isso aconteça em 2020.

No caso da evolução da dívida pública, o FMI está mais otimista do que o Executivo, pelo menos até 2020. O Fundo prevê que daqui a dois anos o rácio da dívida pública no PIB se reduza para os 114,1%, ligeiramente abaixo dos 114,9% previstos por Mário Centeno. Contudo, a partir desse ano o otimismo volta a inverter-se, como mostra o próximo gráfico:

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI).

As projeções do FMI para a dívida pública de Portugal parecem estar ligadas à própria projeção do crescimento económico. O Fundo está mais otimista do que o Governo para este ano, mas prevê uma desaceleração mais profunda em 2019 para 1,8%, algo que continua nos anos seguintes, caso nenhum fator relevante mude drasticamente. Já Mário Centeno prevê uma estabilização do crescimento económico nos 2% até 2022.

Construir fortalezas na bonança

A principal mensagem do Fiscal Monitor é simples: os países têm de aplicar uma política anticíclica, preparando as finanças públicas num tempo de bonança para os riscos do futuro. Numa altura em que a dívida mundial dos Estados atinge máximos históricos, a recomendação é que diminuam rapidamente os défices. “Não há espaço para complacências“, adverte Vítor Gaspar, o diretor do Departamento dos Assuntos Orçamentais do FMI.

Para o ex-ministro das Finanças português, os políticos devem “evitar uma política [orçamental] pró-cíclica que iria providenciar estímulos desnecessários quando a atividade económica já está em andamento“. “Pelo contrário, a maior parte dos países devem colocar os défices e as dívidas num caminho descendente firme”, aconselha Gaspar. Admitindo que ninguém consegue prever “com precisão” a próxima crise, o português afirma que “a experiência mostra que os governos bem-sucedidos são aqueles que se preparam em antecipação para as tempestades iminentes no horizonte”.

Na Zona Euro isso materializa-se também na reforma do euro que está a ser discutida nas instituições europeias. “Na Zona Euro, uma capacidade orçamental central para a estabilização macroeconómica iria reforçar a capacidade da união monetária para responder a choques tanto da Zona Euro como em casos específicos de um país, especialmente quando a política monetária tem limites e o espaço orçamental é limitado em alguns países”, aconselha o Fundo Monetário Internacional.

Mas o principal aviso é para os EUA. “Nos Estados Unidos, a reforma fiscal e o acordo para os dois próximos anos de Orçamento fornecem um estímulo orçamental adicional à economia”, admite o FMI, para depois alertar que essas medidas levarão a que o défice norte-americano aumente um bilião de dólares nos próximos três anos, “o que é mais de 5% do PIB”. O Fundo teme que a dívida dos EUA suba ainda mais, o que destoaria perante o ajustamento realizado pelas restantes economias avançadas.

(Atualizado às 17h22 sobre a resposta do FMI sobre os dados incluídos nas projeções divulgadas esta quarta-feira)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI também vê défice de 0,7%, mas não este ano. Só em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião