Governo melhora défice à custa da descida dos encargos com juros da dívida, diz a UTAO

  • Lusa e ECO
  • 19 Abril 2018

Para a UTAO, o Governo não tem nenhuma medida de consolidação orçamental permanente e significativa para os próximos anos, aproveitando-se da redução dos juros para melhorar défice até 2019.

O Governo não prevê, no Programa de Estabilidade, nenhuma medida de consolidação orçamental permanente e significativa para os próximos anos, sendo a redução dos juros da dívida a principal explicação para a redução do défice até 2019, afirma a UTAO.

Na análise ao Programa de Estabilidade 2018-2022, a que a agência Lusa teve acesso, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirma que o saldo estrutural, que exclui o impacto do ciclo económico e das medidas extraordinárias, “deverá apresentar um aumento de 1,8 pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB) entre 2017 e 2022, sendo que o esforço orçamental previsto para os anos entre 2017 e 2019 é totalmente explicado pela redução da despesa com juros”.

Por outro lado, afirmam os técnicos que apoiam a comissão parlamentar de orçamento, “o ajustamento do saldo estrutural que se projeta será, na sua maioria, explicado pelo cenário de políticas invariantes“, ou seja, pelas medidas que já estão em vigor.

“Nesse sentido, e em última análise, não se encontra prevista para os próximos anos nenhuma medida de consolidação orçamental de caráter permanente de dimensão significativa”, afirma a UTAO.

"O ajustamento do saldo estrutural que se projeta será, na sua maioria, explicado pelo cenário de políticas invariantes. (…) Nesse sentido, e em última análise, não se encontra prevista para os próximos anos nenhuma medida de consolidação orçamental de caráter permanente de dimensão significativa””

UTAO

Análise ao Programa de Estabilidade 2018-2022

Segundo a UTAO, as medidas permanentes de consolidação previstas pelo Governo no Programa de Estabilidade totalizam uma poupança líquida de 323 milhões de euros entre 2019 e 2022. No entanto, “ao não considerar a poupança prevista com o pagamento de juros da dívida pública, verifica-se que estas medidas atingem um valor negativo de cerca de 120 milhões de euros”.

Nesse sentido, a UTAO justifica que “a redução da despesa com juros deve ser considerada como uma das principais medidas de política orçamental durante o período em análise“, alertando, ainda assim, que essa medida não depende da ação do Governo.

A redução dos juros, recorda, decorre do efeito saldo primário, da manutenção de condições de financiamento favoráveis e das amortizações previstas de dívida de longo prazo com taxas de juro elevadas (na sua maioria emitidas no período de crise financeira), pelo que “a sua concretização se encontra fortemente dependente das condições de mercado e da evolução das taxas de juro da dívida pública portuguesa”.

Relativamente às restantes componentes, “as principais medidas de consolidação incidem sobre os consumos intermédios e a outra despesa corrente”, referem os especialistas.

A UTAO recorda que o Programa de Estabilidade 2018-22 sugere uma “previsão de consolidação significativa” através de medidas de revisão de despesa ao nível dos consumos intermédios, das prestações sociais e de outra despesa corrente, no valor de 1.170 milhões de euros entre 2018 e 2022.

“Deve referir-se que, em termos genéricos, não é possível uma avaliação da sua exequibilidade ou do seu impacto, prejudicando a transparência do exercício orçamental e podendo constituir um risco não negligenciável para a execução orçamental”, afirmam os técnicos.

Em causa está a poupança resultante da regra de entrada de dois funcionários públicos por cada três que saem (a medida ‘2 por 3’), que no Orçamento do Estado de 2018 (OE2018) atingia 23 milhões de euros, e “deixou de estar contemplada no Programa de Estabilidade 2018-2022”.

E, do lado da receita, o aumento previsto até 2022 concentra-se ao nível dos outros impostos sobre a produção e importação “não especificados”, num montante de 90 milhões de euros e da redução de benefícios fiscais no valor total de 270 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo melhora défice à custa da descida dos encargos com juros da dívida, diz a UTAO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião