Da Nos à Telepizza. Quais são os patrocinadores do Sporting?

Em nove meses, o Sporting contabilizou 9,6 milhões de euros com patrocínios e publicidade. São mais de 40 as marcas que suportam o clube, mas a crise dos leões pode fazer este número emagrecer.

Da Nos à Telepizza, são mais de quatro dezenas as empresas que patrocinam o Sporting. Nos primeiros nove meses do ano fiscal (de julho de 2017 a março de 2018), o clube contabilizou 9,6 milhões de euros com este tipo de apoios e com publicidade, o que representa um aumento homólogo de quase 1,3 milhões de euros. As contas foram apresentadas esta sexta-feira.

No âmbito da operação Cash Ball e na sequência do episódio de violência de terça-feira, os verdes e brancos estão agora a atravessar uma fase difícil. O especialista em marketing desportivo e diretor do IPMA, Daniel Sá, prevê mesmo que, nas próximas semanas, sejam várias as marcas que decidam afastar-se dos leões e retirar os seus apoios.

Esta quarta-feira, o jornal O Jogo adiantou que a Nos (a principal patrocinadora dos leões) estava a estudar a rescisão dos contratos mantidos com o clube liderado por Bruno de Carvalho. A gigante acabou por desmentir a notícia, mantendo o acordo milionário. O patrocínio foi fechado, juntamente com a PPTV, em 2015, e abrange a transmissão e distribuição do canal do Sporting, bem como a gestão da publicidade no estádio de Alvalade.

Diferente decisão tomou, esta sexta-feira, a exportadora de bens alimentares Grupovarius, que escolheu “desencadear os mecanismos legais de forma a desvincular-se” dos leões. A parceira tecnológica do clube, a Inforphone, também já anunciou que irá afastar-se, porque, diz, a imagem dos verdes e brancos está a “prejudicar o bom nome” da empresa.

Entre os principais parceiros do Sporting, estão ainda a Caixa Geral de Depósitos, a Macron e a Super Bock, não se conhecendo, contudo, os valores desses contratos.

O ECO juntou todos os patrocinadores num vídeo. Conheça-os.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da Nos à Telepizza. Quais são os patrocinadores do Sporting?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião