New York Times vê uma Lisboa “próspera”. Mas o boom do dinheiro estrangeiro está a sair caro aos residentes

A capital portuguesa tornou-se um exemplo da recuperação económica da Europa. Mas o dinheiro estrangeiro está a gerar novos problemas para os habitantes locais.

Os preços médios da habitação em Lisboa subiram 50% em três anos.Pixabay

Lisboa prospera. Sete anos depois do resgate financeiro, em que Portugal recebeu ajuda externa no valor de 78 mil milhões de euros, é visível o fluxo de turistas que visitam a capital portuguesa, que já não é nada como era dantes. A Baixa está a ser reconstruída, o desemprego segue em queda, as exportações estão a aumentar e o mercado imobiliário cresce a grande ritmo, muito graças ao investimento estrangeiro e ao alojamento local.

O cenário é traçado pelo jornal The New York Times (acesso condicionado) que, num artigo publicado esta quarta-feira, questiona também que preço estão os lisboetas a pagar por todo este boom. Desde logo, toda a prosperidade que tornou Lisboa um “exemplo privilegiado da recuperação económica da Europa” não se está a refletir nos rendimentos, com o salário médio em Portugal a rondar os 850 euros. Depois, o preço da habitação, outra dor de cabeça, aumentou uma média de 30% em dois anos, ou 50% desde 2015.

“O renascimento de Lisboa ressente-se em muitos residentes menos privilegiados, que estão a ser despejados de forma abrupta de um extremo para outro. Em algumas ruas, os dois extremos vivem lado a lado”, escreve o jornalista Raphael Minder no mesmo artigo. Este contraste torna-se evidente nos edifícios de luxo detidos pelos investidores estrangeiros que contrastam com os bairros mais antigos, como a Mouraria.

O The New York Times conta ainda a história de um lisboeta que vendia tapetes tradicionais e que, em 2013, viu a sua renda subir de 300 euros para 1.200 euros. “Há uns meses, o senhorio disse-lhe que tem de sair da casa até julho”, refere ainda o jornal norte-americano. Vai começar a gerar receita em agosto com um imóvel que comprou há dois anos num leilão levado a cabo pelo município e deverá começar um emprego novo em breve, a servir vinho num bar que vai abrir no rés-do-chão.

A ex-deputada Ana Drago é também citada pelo jornal: “A estratégia portuguesa para sair da crise baseou-se em atrair investimento estrangeiro, que resolveu a maioria dos problemas financeiros mas agora está a criar novos problemas para as nossas gentes, como é o caso desta crise no imobiliário em Lisboa”, disse. Já Luís Correia da Silva, diretor do resort Dom Pedro, disse que o investimento estrangeiro está a “criar problemas de imobiliário em algumas zonas” da cidade. Contudo, recorda que “ninguém queria fazer nada para salvar essas zonas há alguns anos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

New York Times vê uma Lisboa “próspera”. Mas o boom do dinheiro estrangeiro está a sair caro aos residentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião