Luís Neves é o novo diretor nacional da Polícia Judiciária

Luís Neves, polícia de carreira que nas últimas duas décadas esteve ligado ao combate ao banditismo e terrorismo, é o novo diretor nacional da Polícia Judiciária.

Luís Neves, polícia de carreira que nas últimas duas décadas esteve ligado ao combate ao banditismo e terrorismo, tomou posse como novo diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), sucedendo a Almeida Rodrigues, que não quis renovar o mandato.

O novo diretor nacional comandou até agora a Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT), o departamento da PJ que investiga os crimes mais violentos e que nos últimos anos foi responsável por casos relacionados com a ETA, com os `skinheads´ ou com assaltos a caixas multibanco (ATM) com recurso a material explosivo.

Luís Neves prometeu “reforçar a dotação de recursos humanos” desta polícia e indicou como “especiais preocupações” o terrorismo, a corrupção, a cibercriminalidade, a criminalidade violenta em geral e os chamados “crimes de ódio”.

O novo diretor nacional da PJ apontou ainda como “especiais preocupações” o tráfico de droga e os crimes contra as pessoas, indicando ainda a “recuperação de ativos” resultantes da atividade criminosa mais lucrativa.

Luís Neves sublinhou que a atividade da PJ não se esgota no seio da prevenção e da investigação criminal, referindo que uma polícia capacitada e dotada de meios como o do Laboratório de Polícia Científica deve aproveitar todas as sinergias internas e externas, no âmbito da cooperação judiciária transnacional.

“A estrutura orgânica e funcional da PJ deve estar agilizada e preparada para qualquer cenário, a todo o momento”, enfatizou o novo diretor nacional da PJ, que disse ainda “apostar claramente numa estratégia de proatividade e antecipação”, a montante dos fenómenos criminais, através da “recolha, tratamento, análise e difusão de informação”.

Dotar a PJ dos meios humanos e tecnológicos necessários e adequados ao cumprimento das “tarefas indispensáveis” da sua missão, designadamente na investigação criminal, periciais, informáticas e contabilísticas, foi outro dos rumos traçados por Luís Neves.

Na sua intervenção, a ministra da Justiça salientou que, “no barómetro da confiança”, a PJ “continua a ser das instituições em que os cidadãos mais repousam”, observando que os “cidadãos confiam na maturidade e na diferenciação da PJ”.

Francisca Van Dunem alertou para o recrudescimento do terrorismo, assim como da corrupção, branqueamento de capitais ou atuações criminosas no espaço de cibercriminalidade e que reclamam uma atenção permanente.

A ministra lembrou que PJ possui uma “grande capacidade de antecipar ameaças e os riscos criminais” e de atuar “atempadamente para os prevenir”, mantendo uma atitude atenta às novas formas de criminalidade nacional e transnacional.

Francisca Van Dunem elogiou o trabalho de Almeida Rodrigues à frente da PJ na última década, assim como do seu número dois, Pedro do Carmo, e sublinhou que o novo diretor nacional da PJ, Luís Neves, é “um homem que fez a vida e que tem um passado brilhante na PJ”.

Como desafios do novo diretor nacional, a ministra indicou o reforço da capacidade de ação da PJ, modernizar os meios e manter a coesão dos seus profissionais e garantir os elevados padrões da PJ ao nível da juridicidade, deontologia e da qualidade do trabalho desta polícia.

Almeida Rodrigues, que completa este verão 60 anos e passará à disponibilidade, esteve uma década à frente da PJ, tendo mantido a confiança de sucessivos ministros da Justiça.

Com Almeida Rodrigues sai também o seu número dois, Pedro do Carmo (diretor nacional adjunto da PJ), que regressa à magistratura do Ministério Público.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luís Neves é o novo diretor nacional da Polícia Judiciária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião