“Táxi” em Tribunal. Nome da banda já não pode ser usado em concertos

Decisão inédita do Tribunal da Relação de Lisboa cria jurisprudência: os "Táxi" acabaram e dois dos seus membros já não podem apresentar-se ao público com o mesmo nome.

A sociedade de advogados TELLES agiu em nome dos fundadores da banda Táxi, Henrique Oliveira e Rodrigo Freitas, no apelo à justiça para que João Grande e Rui Taborda, os outros dois membros fundadores deste grupo musical, não possam continuar a atuar sob o nome da banda, por si só ou com outros músicos.

O caso surgiu após João Grande e Rui Taborda terem decidido, à revelia dos demais membros da banda, voltar a atuar sob o mesmo nome do grupo musical que fez sucesso nos anos 80, com o famoso tema “Chiclete”.

Numa decisão cautelar, inédita na justiça portuguesa, a equipa da TELLES, liderada pelo advogado Pedro da Costa Mendes, com Fernando Pizarro e Maria João Meireles, conseguiu que o Tribunal da Relação de Lisboa confirmasse uma providência cautelar que ordena que aqueles dois membros se abstenham de quaisquer atos de utilização do nome “Táxi”, nomeadamente abstendo-se de realizar concertos e de editar quaisquer novas obras artísticas sob a mesma designação, contra a vontade dos demais membros. Aquele Tribunal superior considerou que, pela sua natureza, uma marca de uma banda não pode ser usada indistintamente por cada um dos seus co-titulares (e muito menos com a participação de outros músicos contratados).

Recorde-se que o Tribunal da Relação de Lisboa deu igualmente como assente, em sede cautelar, que todos os membros da banda “TAXI” tinham acordado pelo menos já desde 2006, que todas as decisões respeitantes à banda fossem tomadas por unanimidade e que, em finais de 2010, decidiram extinguir definitivamente a banda.

“Tratando-se, de momento, de uma decisão provisória e um processo pendente, a TELLES não se pronuncia sobre o assunto”, disse a sociedade de advogados em comunicado enviado à Advocatus.

Com esta decisão, ficam para já impedidas futuras atuações de João Grande e Rui Taborda sob o nome da banda, nomeadamente a que estava já agendada para o Festival Remember 80’s, na Vila do Crato.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Táxi” em Tribunal. Nome da banda já não pode ser usado em concertos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião