Uría Menéndez renova a direção do escritório

Luis de Carlos será o novo sócio presidente, em substituição de José María Segovia, e Salvador Sánchez-Terán exercerá o cargo de sócio diretor.

A Assembleia Geral de sócios da Uría Menéndez realizada hoje, aprovou a nomeação, com efeitos a partir de dia 1 de janeiro de 2019, de Luis de Carlos (à esquerda, na foto) como novo sócio presidente e de Salvador Sánchez-Terán como novo sócio diretor (à direita, na foto).

Depois de 13 anos a dirigir a firma – os últimos oito anos como sócio presidente -, e depois de 38 anos no escritório, José María Segovia (ao centro, na foto) deixará a Uría Menéndez no próximo dia 31 de dezembro.

José María Segovia manifestou a profunda convicção de que a Uría Menéndez, sob o mandato do novo sócio presidente e do novo sócio diretor, continuará a ser uma das firmas líderes da advocacia europeia e mundial.

Por seu lado, Luis de Carlos agradeceu a todos os sócios a confiança que depositaram nele como futuro sócio presidente e demonstrou grande entusiasmo por compartilhar o próximo mandato com Salvador Sánchez-Terán.

Salvador Sánchez-Terán ingressou na Uría Menéndez em 1988 e foi nomeado sócio em 1996. Desde então centra a sua atividade profissional no âmbito do Direito das Sociedades, Fusões e Aquisições, Direito Bancário e de Mercado de Capitais. É membro do Conselho de Administração do escritório e nos últimos anos assumiu funções de responsabilidade nos domínios da seleção e seguimento de advogados. “Depois de 30 anos no escritório, é uma honra que os nossos sócios confiem em mim para exercer as funções de sócio diretor durante os próximos anos”, assinalou Salvador Sánchez-Terán.

A Uría Menéndez é um escritório líder no mercado ibero-americano, com presença em 17 cidades da Europa, América e Ásia. Fundada em 1946, atualmente conta com mais de 550 advogados que prestam assessoria de alto valor acrescentado em todas as áreas do Direito dos negócios português, espanhol e da União Europeia. Em Portugal, o escritório espanhol fundiu-se com o escritório de Daniel Proença de Carvalho, em 2010.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uría Menéndez renova a direção do escritório

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião