Fed: Produtores temem tarifas, mas economia continua a crescer

  • Juliana Nogueira Santos
  • 18 Julho 2018

Os produtores norte-americanos mostraram-se preocupados com as tarifas aduaneiras, que já fizeram subir os preços, e a mão-de-obra qualificada.

A economia norte-americana continua crescer a um ritmo “moderado a modesto”, alicerçado no aumento dos preços e do consumo privado. Como escreve a Reserva Federal no seu Livro Bege, dez dos 12 estados reportaram crescimentos moderados, sendo que um destacou-se pelo crescimento forte devido ao setor energético: Dallas.

Os governadores federais reportaram ao banco central norte-americano sinais de desconfiança em torno das tarifas aduaneiras impostas pela Casa Branca, com os produtores a mostrarem-se preocupados. Em muitos estados observou-se um aumento dos preços das matérias-primas e falhas na oferta de produtos, tudo isto atribuído às novas políticas comerciais.

“As tarifas contribuíram para o aumento do preço dos metais e da madeira”, pode ler-se no relatório. “No entanto, a dimensão da cadeia de valor fez com que o preço ao consumidor se mantivesse a crescer ligeira a moderadamente.”

Para além das preocupações comerciais, os produtores norte-americanos tiveram também problemas em encontrar mão-de-obra qualificada, principalmente em áreas como a construção, a indústria, a informática e até o transporte de bens. “Alguns estados indicaram que a falta de mão-de-obra constrangeu o crescimento”, escreve ainda a Fed.

As dificuldades no mercado de trabalho estão a levar as empresas a adotar medidas de retenção de talento, tais como o estabelecimento de parcerias com escolas e o aumento dos salários.

Assim, as informações que estão nesta edição do Livro Bege vão ao encontro daquelas utilizadas por Jerome Powell para sustentar as futuras subidas da taxa diretora. “Com o mercado laboral forte, a inflação próxima do nosso objetivo e os riscos para as perspetivas em geral equilibrados, o comité de política monetária da Fed crê que, por agora, o melhor caminho é continuar a subida gradual das taxas de juro”, disse Powell numa comissão do Senado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed: Produtores temem tarifas, mas economia continua a crescer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião