Trump critica Fed. Wall Street acentua perdas

  • Juliana Nogueira Santos
  • 19 Julho 2018

O presidente dos Estados Unidos veio a público dizer que não estava de acordo com a abordagem seguida por Powell. Os índices bolsistas cairam, castigados pelo setor financeiro.

Jerome Powell disse que, com a economia a mostrar sinais de estabilidade, está na hora de subir a taxa diretora. Mas o presidente dos Estados Unidos não está totalmente de acordo, pelo menos em relação à abordagem da Reserva Federal. A juntar a este desentendimento, o setor financeiro está a apresentar resultados aquém do esperado, pressionando os índices norte-americanos.

Depois do presidente da Reserva Federal ter afirmado que os indicadores económicos atingiram um patamar em que não há mais nada a fazer do que subir a taxa de juro diretora, Donald Trump veio a público dizer que não está satisfeito. O acérrimo crítico das políticas monetárias seguidas durante a crise financeira disse em entrevista que a taxa “vai subir e sempre que sobe querem que suba outra vez. Não estou contente com isso. Mas ao mesmo tempo deixo-os fazer aquilo que eles acham melhor.”

À luz deste desencontro, os índices bolsistas agravaram as perdas do início da sessão. O industrial Dow Jones caiu 0,55% para 25.059,54 pontos, enquanto o S&P 500 deslizou 0,41% para 2.804,14 pontos. O tecnológico Nasdaq perdeu 0,36% para 7.826,18 pontos.

O setor financeiro foi o mais castigado nesta sessão, em que a empresa de cartões de crédito American Express caiu perto de 3% devido ao aumento da despesa. Já as empresas financeira cotadas no S&P 500 caíram, em conjunto, mais de 1% — JP Morgan, Citigroup, Bank of America, Morgan Stanley incluídas.

Nota ainda para o eBay, que registou receitas abaixo do previsto no segundo trimestre do ano, tendo ficado nos 2,6 mil milhões de dólares. As ações perderam mais de 10% nesta sessão, perdendo 1,7 mil milhões de dólares em valor de mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump critica Fed. Wall Street acentua perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião