Banco de Portugal foi mais de mil vezes ao mercado para comprar dívida pública em 2017

Instituição liderada por Carlos Costa comprou 4,8 mil milhões de euros em dívida pública portuguesa em 2017. E o BCE comprou outros 1,7 mil milhões em obrigações nacionais.

O Banco de Portugal foi 1.029 vezes ao mercado em 2017 para adquirir títulos de dívida pública no âmbito do programa de compras de ativos do Banco Central Europeu (BCE). No total, a instituição liderada por Carlos Costa comprou 4,8 mil milhões de euros em dívida pública portuguesa. Mas as compras do banco central português ao longo do ano passado não se ficaram por aqui.

Dados do Relatório de Implementação da Política Monetária mostram que o Banco de Portugal adquiriu ainda 10,1 mil milhões de euros de títulos de dívida emitidos por entidades supranacionais — como é, por exemplo, o Mecanismo Europeu de Estabilidade.

De acordo com as regras, um banco central da Zona Euro pode comprar dívida de entidades supranacionais “caso se antecipe que deixe de existir dívida pública suficiente disponível de algum Estado-membro”. Foi o que aconteceu no ano passado.

Além do Banco de Portugal, também o próprio BCE adquiriu títulos de dívida pública portuguesa em 2017. Foram comprados 1,7 mil milhões de euros em obrigações portuguesas pela instituição de Mario Draghi.

Estas compras foram realizadas no âmbito da política monetária menos convencional que o BCE foi implementando nos últimos anos, com o objetivo de animar a atividade económica na Zona Euro, tendo lançado programas de compras de ativos como o PSPP e o APP.

“O Banco de Portugal executou, desde o início, a compra de dívida do setor público português”, relata a instituição. “No final de 2017, a carteira de títulos adquiridos no âmbito do APP e registados no balanço do Banco de Portugal representava cerca de 44 mil milhões de euros“, adianta ainda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal foi mais de mil vezes ao mercado para comprar dívida pública em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião