“As notícias são falsas, isto é um absurdo”, diz Catarina Martins sobre o caso Robles

Catarina Martins defende o vereador da Câmara de Lisboa Ricardo Robles no caso do prédio em Alfama. Aproveitou ainda para lançar críticas ao PSD, falando em hipocrisia e cinismo

As notícias são falsas, isto é um absurdo“. Foi desta forma que Catarina Martins reagiu esta manhã às notícias relacionadas com o caso Robles. A coordenadora do Bloco de Esquerda falou no acampamento de jovens do Bloco, ocasião que aproveitou para defender o vereador da Câmara de Lisboa Ricardo Robles no caso do prédio em Alfama. Aproveitou ainda a ocasião para lançar críticas ao PSD, falando em hipocrisia e cinismo.

Catarina Martins disse que o vereador do seu partido “já explicou a situação familiar, explicou tudo o que tinha a a explicar”. E defendeu ainda que não houve especulação imobiliária porque o prédio não foi vendido, acrescentando que os jornais fizeram “manchetes falsas ontem, que hoje repetem”.

Em causa está uma notícia avançada na sexta-feira pelo Jornal Económico, que dá conta de que o bloquista Ricardo Robles, também vereador da Câmara Municipal de Lisboa adquiriu, em 2014, um prédio em Alfama por 347 mil euros, que foi reabilitado, avaliado em 5,7 milhões de euros e posto à venda em 2017.

Relativamente aos esclarecimentos prestados por Ricardo Robles nesta sexta-feira à tarde, Catarina Martins diz que este “fez bem em prestar os esclarecimentos”. “Esta compra não foi uma operação especulativa”, afirmou na ocasião o bloquista aos jornalistas. “Não houve nenhuma mais-valia, não houve nenhum lucro”, acrescentou.

A Coordenador Nacional do Bloco, disse ainda que o pedido de demissão feito pelo PSD Lisboa ao vereador Ricardo Robles era incoerente, lançando algumas “farpas” ao partido liderado por Rui Rio, falando em hipocrisia e cinismo. “Acho que sobre a hipocrisia e sobre o cinismo estamos conversados”, disse Catarina Martins, revelando alguma estranheza com o timing em que as notícias surgiram.

Catarina Martins lembrou que “o PSD, que está a ser investigado por problemas tanto de vistos golds, como de financiamento ao partido através de negócios ligados a obras e autarquias decidiu, em vez de tirar consequências investigações de que está a ser alvo, perseguir o Bloco de Esquerda”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“As notícias são falsas, isto é um absurdo”, diz Catarina Martins sobre o caso Robles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião