Wall Street no vermelho contagiado pela crise turca

Na última sessão da semana, Wall Street abriu em terreno negativo, pressionado pela espiral descendente da moeda turca. As ações da Tesla continuam a corrigir, depois do disparo de terça-feira.

Na última sessão da semana, a praça nova-iorquina abriu no vermelho, pressionada sobretudo pela espiral descendente da moeda turca. Esta quinta-feira, as ações da Tesla continuam a desvalorizar e as da Intel já recuam mais de 2%.

Na abertura da sessão, o índice de referência, o S&P 500, está a desvalorizar 0,49% para 2.839,64 pontos. Também o industrial Dow Jones está a cair 0,42% para 25.401,19 pontos e o tecnológico Nasdaq segue a tendência, recuando 0,72% para 7.834,71 pontos.

Os investidores mostram, assim, claros sinais de nervosismo, face à evolução negativa da moeda turca. Esta sexta-feira, a lira está a afundar cerca de 10% para novos mínimos históricos. Isto depois da reunião dos representantes turcos e norte-americanos sobre a detenção de um pastor norte-americano na Turquia não ter produzido uma solução para esta crise diplomática.

Os problemas nos mercados emergentes são mais relevantes do que nunca devido ao estatuto de motores do crescimento global que têm assumido”, sublinha, neste quadro, Peter Cecchini, analista na Cantor Fitzgerald, citado pela Reuters.

A contribuir para o receio sentido pelos investidores está também o eventual impacto das novas tarifas aduaneiras aplicadas pelos EUA sobre a inflação. Os economistas estimam que em julho o índice de preços do consumidor tenha subido 0,2%.

Também a pesar sobre Wall Street, os títulos da Intel estão a recuar 2,43% para 48,92 dólares, depois do Goldman Sachs ter baixado o rating destas ações devido aos problemas que a fabricante tem enfrentado na produção de chips.

Na sessão desta sexta-feira, há ainda que manter debaixo de olho os títulos da Tesla, que estão a descer 0,77% para 349,75 dólares. Na terça-feira, Elon Musk anunciou, no Twitter, que está a ponderar retirar de bolsa esta empresa de veículos elétricos, o que levou as suas ações a disparar mais de 10%. Nas últimas sessões, a tendência registada tem sido, contudo, a inversa, isto é, têm vindo a corrigir. Esta manhã, a administração de a gigante adiantou que está a avaliar a proposta de Musk.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street no vermelho contagiado pela crise turca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião