Multa à Monsanto afunda Bayer. Ações caem mais de 12%

A Justiça norte-americana decidiu multar a Monsanto, levando as ações da Bayer a sofrer a maior queda em quase sete anos. Bruxelas insiste: autorização para uso de glifosato tem base científica.

Cerca de dois meses após a compra da Monsanto, más notícias para a Bayer. As ações da empresa germânica sofrem a maior queda em quase sete anos, penalizadas pela condenação da Justiça norte-americana à Monsanto ao pagamento de uma multa de 290 milhões de dólares por esta não não ter informado sobre a perigosidade do herbicida ‘Roundup‘, na origem de um cancro num jardineiro.

As ações da Bayer tombam 12,44%, para os 81,75 euros, um pouco acima do mínimo desde setembro de 2011 de 81,72 euros já registado nesta sessão.

Ações da Bayer derrapam

Fonte: Reuters

O caso contra a Monsanto, adquirida pela Bayer por 63 milhões de euros em junho, é o primeiro de mais de cinco mil processos similares nos EUA sobre a empresa que produz herbicidas baseados em glifosato, onde se inclui o ‘Roundup’.

Na sexta-feira, a Monsanto informou através de comunicado que iria recorrer da condenação imposta por um júri que determinou que a empresa agiu “com maldade” e que o seu herbicida ‘Roundup’, ainda que na sua versão profissional RangerPro, contribuiu “consideravelmente” para a doença do jardineiro Dewayne Johnson.

“O veredicto do júri está em desacordo com a evidência científica, décadas de experiência no mundo real e as conclusões dos reguladores de todo o mundo que confirmam que o glifosato é seguro e não causa o linfoma não-Hodgkin”, disse a Bayer nesse comunicado.

"Apesar de ser certo que um recurso provavelmente irá conduzir a uma multa reduzida a um valor mínimo, se não mesmo revertida na totalidade, um grande número de casos semelhantes pendentes irão agora provavelmente multiplicar-se.”

Barclays

Apesar disso, esta condenação poderá representar um precedente e resultar em condenações semelhantes noutros processos em tribunal à Monsanto. Um revés que afeta a Bayer que depois de ter fechado a compra da empresa norte-americana apenas aguarda a venda de alguns ativos apontados como “remédios” para os reguladores aprovarem a operação para poder então incorporar a Monsanto na sua estrutura. No negócio, não terá sido previsto o pagamento pelos acionistas da Monsanto de nenhum pagamento por litígios relacionados com o ‘Roundup’.

Os analistas do Barclays consideram que a Bayer enfrenta uma “dor de cabeça litigiosa”. “Apesar de ser certo que um recurso provavelmente irá conduzir a uma multa reduzida a um valor mínimo, se não mesmo revertida na totalidade, um grande número de casos semelhantes pendentes irão agora provavelmente multiplicar-se”, acrescentou o Barclays.

Entretanto, segundo está a avançar a Reuters, a Alemanha quer acabar com o uso de herbicidas baseados em glifosato (como o ‘Roundup’) em jardins domésticos, parques e infraestruturas desportivas, ainda durante a atual legislatura. O ministério da Agricultura alemão quer também limitar o uso deste químico nas práticas agrícolas.

Por sua vez, a Comissão Europeia já veio reafirmar que a autorização para os herbicidas com glifosato, válida para os próximos cinco anos, “está baseada em provas científicas” e recordou que os países têm liberdade de proibir a sua utilização.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multa à Monsanto afunda Bayer. Ações caem mais de 12%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião