Alerta na CP. “Adiamento dos investimentos” põe em causa continuidade da empresa

O Conselho Fiscal da CP deixa o alerta. Numa altura em que a sua operação está a ser alvo de críticas, ataca "o adiamento dos investimentos no rejuvenescimento" das composições.

A Comboios de Portugal encolheu os prejuízos na primeira metade do ano. Mesmo assim, perdeu 55,3 milhões de euros, prejuízos que agravaram ainda mais a situação líquida da empresa cuja “continuidade e sucesso” depende “não só do suporte financeiro por parte do Estado”, mas também, diz o Conselho Fiscal, do fim dos adiamentos sucessivos dos investimentos no “rejuvenescimento do material circulante”.

“Apesar da melhoria de resultados e dos principais indicadores, a continuidade e sucesso da atividade operacional do Grupo CP depende não só do suporte financeiro por parte do Estado, mas também do impacto dos constrangimentos decorrentes do adiamento da concretização dos investimentos no rejuvenescimento do material circulante”, bem como na infraestrutura ferroviária.

O Conselho Fiscal da CP — a CP tem um Conselho de Administração, um Conselho Fiscal e um Revisor Oficial de Contas, sendo ainda auditada por um Auditor Externo — continua, salientando a necessidade de haver igualmente um “reforço da força de trabalho especializada dos diferentes níveis e áreas funcionais do Grupo, em particular nos serviços de manutenção e reparação de material circulante”.

"Apesar da melhoria de resultados e dos principais indicadores, a continuidade e sucesso da atividade operacional do Grupo CP depende não só do suporte financeiro por parte do Estado, mas também do impacto dos constrangimentos decorrentes do adiamento da concretização dos investimentos no rejuvenescimento do material circulante.”

António Farinha Simão

Presidente do Conselho Fiscal da CP

Estes alertas, deixados no relatório e contas do primeiro semestre deste ano, em que o Grupo CP reduziu os prejuízos de 57,9 para 55,3 milhões de euros, são feitos numa altura em que a operação está no centro das atenções pela fraca qualidade da oferta apresentada aos utilizadores. A ferrovia tem mesmo centrado muito do discurso político, com a oposição a acusar o Governo de nada fazer. E de cativar as verbas para a CP.

As regras de disciplina orçamental em vigor geraram um congelamento de despesa de 95,3 milhões de euros para os transportes ferroviários, de acordo com a informação complementar ao Boletim de Execução Orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO). No final do primeiro semestre, os cativos mantinham-se intactos. Mais, as novas regras impostas pelo decreto-lei de execução orçamental e publicadas a 15 de maio acrescentaram 20 milhões de euros às cativações da ferrovia.

Liberalização é um “desafio”

Além dos alertas deixados para a situação atual, o Conselho Fiscal, presidido por António Farinha Simão, olha também para o futuro, apontando desafios para a CP. Nomeadamente, a liberalização do setor.

Há “desafios de ordem externa, em particular os resultantes da liberalização do mercado nacional do transporte ferroviário de passageiros, sendo de realçar a necessidade já antes evidenciada de contratualização da prestação do serviço público como forma de assegurar a sustentabilidade do grupo empresarial CP”, refere.

(Notícia atualizada às 20h00 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alerta na CP. “Adiamento dos investimentos” põe em causa continuidade da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião