Depois de Portugal, S&P sobe perspetiva do BPI e do Totta

A Standard & Poor's não subiu o rating, mas melhorou a perspetiva do país. Nesse sentido, reviu o outlook para o BPI, detido pelo CaixaBank, e o Totta, do Santander.

A Standard & Poor’s elevou a perspetiva para o rating do BPI e do Santander Totta. A decisão de elevar o outlook de “”estável” para “positivo” resulta da revisão feita à notação do soberano onde ambas as instituições operam, Portugal, ainda que ambos sejam controlados por instituições de Espanha.

Depois de há um ano ter surpreendido com uma subida de rating antes de colocar a perspetiva em “positiva” — decisão que tende a anteceder uma revisão em alta da classificação atribuída –, retirando Portugal do nível de “lixo”, a agência de notação financeira norte-americana melhorou a perspetiva do país. Agora, vem fazer o mesmo à banca, embora não todos. Não emitiu qualquer nota para BCP e CGD.

Numa nota obtida pelo ECO, a S&P diz que “se revirmos o rating de Portugal, passaremos a considerar um maior apoio às nossas avaliações a alguns bancos portugueses detidos por bancos estrangeiros com ratings mais elevados”. Assim, o outlook do BPI e o Totta passaram para “positivo”, de “estável”.

Revimos para ‘positiva’ a nossa perspetiva para o rating do BPI e o seu subsidiário Banco Português de Investimento, bem como o Santander Totta“, diz a agência, reiterando o rating dos bancos de “BBB-“, o mesmo que atribui a Portugal.

“Consideramos que o Totta é uma subsidiária estratégica do Santander e o BPI do CaixaBank”, diz a agência, acrescentando que, “ao abrigo dos seus critérios, poderia atribuir um rating até um nível abaixo das suas casas-mãe (de A e BBB+, respetivamente), mas optamos por limitar os seus ratings ao nível do de Portugal”.

A S&P explica o porquê desta decisão. Apesar de serem estratégicos, “não consideramos que o Santander e o CaixaBank tivessem vontade, e pudessem, suportar as suas subsidiárias num contexto de stress resultante do incumprimento do soberano”, ou seja, de Portugal.

(Notícia atualizada às 18h13 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de Portugal, S&P sobe perspetiva do BPI e do Totta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião