Professores marcam nova greve para a primeira semana de outubro

Os professores vão avançar com nova greve marcada para a primeira semana de outubro contra a "intransigência" do Governo em não honrar o compromisso de contagem de todo o tempo de serviço.

Os professores vão avançar com nova greve para a primeira semana de outubro, anunciaram os sindicatos do setor. Protestam contra a “intransigência” do Governo em não honrar o compromisso de contagem de todo o tempo de serviço.

“Os professores e educadores exigem que o governo honre o compromisso que assumiu, cumpra a lei e respeite a Assembleia da República, ou seja, negoceie o prazo e o modo de recuperar todo o tempo de serviço que cumpriram”, dizem no anúncio do pré-aviso de greve que vai ser entregue na próxima sexta-feira.

“Até agora, porém, o governo, de forma intransigente, tem recusado contabilizar os 9 anos, 4 meses e 2 dias de atividade desenvolvida pelos docentes nos períodos de congelamento das carreiras e ameaça não só apagar mais de 6,5 anos (70%) desse tempo, como adiar para próximas legislaturas a concretização de qualquer medida que possa tomar, abrindo portas à liquidação da carreira docente”, indicam ainda.

São dez as organizações sindicais de docentes que convocam esta ação de protesto: ASPL, FENPROF, FNE, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU.

O pré-aviso de greve será entregue em mãos pelos dirigentes sindicais no Ministério da Educação pelas 11h00 de sexta-feira, o último dia da semana de plenários que os sindicatos estão a realizar em todo o país.

“Em todos eles foi aprovada uma tomada de posição, em que os professores ratificam a estratégia negocial e de luta apresentada pelas suas organizações sindicais”, adiantam as estruturas sindicais no comunicado divulgado esta quarta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Professores marcam nova greve para a primeira semana de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião