Portugal entre os países da Europa com maior recuo homólogo do desemprego

Face ao ano passado, Portugal está entre os países europeus que registaram um maior recuo da taxa de desemprego: de 8,8% em agosto de 2017 para 6,8% em agosto de 2018.

Portugal está entre os países europeus que registaram um maior recuo homólogo da taxa de desemprego: de 8,8% em agosto de 2017 para 6,8% em agosto de 2018. De acordo com os dados divulgados, esta segunda-feira, pelo Eurostat, em agosto, o desemprego diminuiu para 8,1% na Zona Euro e para 6,8% na União Europeia. Desde 2008 que a taxa de desemprego na Europa não era tão baixa.

No último mês, o desemprego na região da moeda única recuou para 8,1%, valor que compara com os 8,2% registados em julho deste ano e com os 9% verificados em agosto do ano passado. “Esta é taxa mais baixa registada na Zona Euro desde novembro de 2008″, nota o Gabinete de Estatísticas da União Europeia.

No que diz respeito à Europa a 28, o desemprego caiu para 6,8% em agosto, mantendo-se estável em relação ao mês anterior e recuando face aos 7,5% verificados no mesmo período do ano anterior. “Esta mantém-se a taxa mais baixa da União Europeia desde abril de 2008”, sublinha o Eurostat.

Desemprego na Europa em mínimos de 2008

Fonte: Eurostat

No mês passado, foi na República Checa (2,5%), na Alemanha e na Polónia (ambos com 3,4%) que se registaram as taxas de desemprego mais baixas da Europa. Por outro lado, a Grécia (19,1% em junho) e Espanha (15,2%) ocupam os lugares cimeiros desta tabela.

Já na comparação homóloga, destaque para Chipre (de 10,5% para 7,5%), Croácia (de 10,9% para 8,5%), Grécia (de 21,3% para 19,1%) e Portugal (8,8% para 6,8%) por terem sido os Estados-membros que registaram um maior recuo homólogo da taxa em causa.

Os dados divulgados pelo Eurostat, esta segunda-feira, confirmam a estimativa que já tinha sido avançada pelo Instituto Nacional de Estatística. De acordo com o INE, em agosto, a taxa de desemprego em Portugal tocou mesmo em mínimos de 2002.

(Notícia atualizada às 11h03).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entre os países da Europa com maior recuo homólogo do desemprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião