Juros portugueses acima dos 2%. É a primeira vez em quatro meses

A taxa de juro das obrigações nacionais a dez anos superou a fasquia dos 2%, num dia marcado por novos máximos das yields italianas.

A crise italiana continua a assustar os investidores. E a afetar o mercado da dívida soberana da Zona Euro. Portugal não escapa, registando-se uma subida da taxa de juro das obrigações dez anos que superou a fasquia dos 2%. Há quatro meses que não estava tão elevada.

A yield nacional naquele prazo de referência segue nos 2,004%, patamar que não era atingido desde 12 de junho. Os juros nacionais acompanham o agravamento que se assiste em Itália, onde as taxas de juros registam novos máximos de mais de quatro anos.

A taxa de juro para o mesmo prazo de Itália agrava em cerca de dez pontos base, para 3,676%. No prazo a 30 anos, a yield italiana subiu acima dos 4% pela primeira vez desde agosto de 2014.

Juros a dez anos acima dos 2%

Fonte: Reuters

Esse agravamento dos juros acontece depois de, nesta terça-feira, o ministro da economia ter prestado declarações no Parlamento sobre os planos orçamentais do governo que não foram suficientes para acalmar os nervos dos investidores.

No que respeita aos juros nacionais, apesar da subida que se verifica, o spread face aos juros italianos dilatou-se. Ou seja, os juros nacionais não estão a subir tanto como os de Itália.

Ainda assim, a quebra em alta da fasquia dos 2% da yield nacional a dez anos acontece numa semana em que o Tesouro regressa ao mercado para emitir dívida de longo prazo, através de um leilão de obrigações do Tesouro a dez anos. Nessa operação, Portugal pretende angariar entre 750 milhões e mil milhões de euros de financiamento, arriscando-se assim a não ter condições tão vantajosas quantos as verificadas nas operações similares anteriores.

Esta semana, é ainda marcada pela revisita do rating de Portugal por parte de duas casas de notação financeira. A DBRS e a Moodys — a única agência a manter Portugal no “lixo” — têm agendado para a próxima sexta-feira avaliações ao rating de Portugal.

Acontece ainda a poucos dias de o Governo de António Costa entregar no Parlamento a proposta para o Orçamento de Estado do próximo ano.

(Notícia atualizada às 13h20 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros portugueses acima dos 2%. É a primeira vez em quatro meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião