Investir em tecnologias como blockchain exige “um propósito”

Francisco Simão, administrador dos CTT, alertou que as empresas precisam de ter "um propósito" na implementação de novas tecnologias, para que se integrem na estratégia e no negócio.

Investir em algumas das tecnologias mais populares exige “um propósito”, sob pena de se estar a abraçar a transformação digital de uma forma que não se enquadra na estratégia da empresa. “Usar blockchain? Ninguém quer saber disso. Temos de dar propósito às pessoas. Tem de haver um propósito, tem de haver um sentido”, afirmou Francisco Simão, administrador executivo dos CTT.

No mesmo dia em que a EY Portugal apresentou o estudo Maturidade Digital das Empresas em Portugal, no qual conclui que as empresas podem estar a investir na nova era digital sem pensar na estratégia e no negócio, o gestor da empresa de correios considerou que “o digital e a inovação têm de seguir a estratégia” da companhia.

Francisco Simão, administrador executivo dos CTT.Hugo Amaral/ECO

Esta foi uma das ideias deixadas num painel inserido na conferência Beyond, promovida esta quarta-feira pela EY Portugal em Lisboa. Para além dos CTT, a conferência contou com representantes de outras empresas, como a Brisa, para discutir o presente e o futuro do digital em Portugal. E depois dos alertas da EY de que há um otimismo potencialmente excessivo por parte das empresas, que acreditam saber bem o que aí vem ao nível do mundo digital, estes preferiram focar-se na necessidade de uma estratégia para a implementação de tecnologias inovadoras nos negócios — outro dos alertas do estudo.

“No final de cada dia, a pergunta que temos de fazer é ‘o que é que nós vendemos?’. E, na Brisa, vendemos tempo. A mobilidade é uma chatice”, afirmou Eduardo Ramos, presidente executivo da A-to-Be, uma empresa de tecnologia do grupo Brisa. A ideia deixada pelo gestor foi a de que os decisores empresariais devem saber perfeitamente como encaixar uma tecnologia no negócio e quais as vantagens, ao invés de investirem em tecnologia tendo apenas em conta as chamadas buzz words.

Eduardo Ramos, presidente executivo da A-to-Be, empresa do grupo Brisa.Hugo Amaral/ECO

O responsável do grupo Brisa falou também de um projeto da A-to-Be, realizado no Estado norte-americano de Washington, em que várias empresas terão concorrido ao desenvolvimento de uma tecnologia para cobrar portagens com base nas milhas conduzidas. Foi uma experiência internacional que deu a Eduardo Ramos uma outra noção da transformação digital no plano internacional: “Quando a A-to-Be vai para o mercado internacional, a pancada é fortíssima. O nível de exigência, de integração, de concorrência e de competitividade é brutal”, atirou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investir em tecnologias como blockchain exige “um propósito”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião