Quem quer o quê para a Associação Mutualista Montepio

Associados já estão a receber os boletins de voto e já podem votar por correspondência. São três os candidatos à liderança da Associação Mutualista. O que querem para maior mutualista do país?

Até ao próximo dia 7 de dezembro, os associados vão poder decidir o futuro da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). Por estes dias, cada um deles já recebeu ou estará a receber em casa os boletins de voto por correspondência com os quais vão eleger os órgãos sociais para o triénio 2019-2021. Na corrida a três pela liderança da maior mutualista do país, Tomás Correia enfrenta a oposição de Fernando Ribeiro Mendes e António Godinho. Há pontos em comum entre todos os que se candidatam, como um reforço da oferta mutualista e da AMMG, mas são mais os pontos de divergência entre as três listas, sobretudo no que toca à avaliação que fazem do atual estado das finanças da instituição. Quem se candidata e o que quer cada lista?

Tomás Correia quer comité estratégico e um milhão de sócios

É a lista do atual conselho de administração da AMMG, presidida por Tomás Correia, e que se apresenta aos associados sob o lema “Fazemos por si. Fazemos por todos”. O programa eleitoral não se refere aos prejuízos que a associação tem registado nos últimos anos, destacando antes “o enorme capital de confiança” que tem “junto da sua comunidade de associados” e “resiliência a ponto de, perante uma campanha de ataques mediatizados, ter resistido por meios próprios, sem necessidade de apoio público, sem despedimentos e sem fragilizar ou colocar em risco qualquer empresa do grupo“.

Tomás Correia diz que avança novamente para, “numa conjuntura económica favorável, cumprir o caminho de transformação, modernização e crescimento” que perspetiva para a AMMG.

Entre as várias propostas, a Lista A quer criar um “Comité Estratégico do grupo”, sendo constituído por todos os presidentes das principais sociedades instrumentais, como o Banco Montepio ou a Montepio Seguros, e que se reunirá mediante convocatória do presidente da AMMG no sentido de garantir o alinhamento de todo o grupo e aproveitar sinergias estratégicas.

Tal como nas últimas eleições, volta a falar no objetivo de alcançar “um milhão de associados”.

Candidatos na Lista A

Conselho de Administração: Tomás Correia (presidente), Carlos Beato, Virgílio Lima, Idália Serra e Luís Almeida

Mesa da Assembleia Geral: Vítor Melícias

Conselho Fiscal: Ivo Pinho

Conselho Geral: Maria de Belém Roseira

Ribeiro Mendes quer baixar salários aos administradores e criar observatório

Pela Lista B concorrer o administrador dissidente Fernando Ribeiro Mendes, que nos últimos meses foi manifestando publicamente um virar de página na liderança da instituição. Apresenta-se, por isso, sob o lema “União e confiança”, para enfrentar “a crise de reputação” que afeta a instituição.

Ribeiro Mendes critica a falta de transparência da atual gestão (da qual faz parte ainda outro candidato desta lista, Miguel Coelho). Nesse sentido, se chegar ao poder, diz que vai “melhorar modelo de governação” da AMMG. Também pretende reforçar a participação dos associados na vida associativa, nomeadamente através da promoção do orçamento participativo, da implementação do voto eletrónico e criação de núcleos regionais de associados.

Por outro lado, depois de ter dito que recebia uma remuneração mensal bruta de 24 mil euros, Ribeiro Mendes pretende rever os salários na administração e restantes órgãos sociais, “em linha com a redução de responsabilidade que ocorreram após a autonomização da Caixa Económica Montepio Geral”.

Quer criar ainda o Observatório Social Montepio para agregar competências internas e externas para partilha e produção de conhecimento na área da economia social.

Candidatos na Lista B

Conselho de administração: Fernando Ribeiro Mendes (presidente), Miguel Coelho, Maria da Nazaré Barroso, Pedro Corte Real e Ana Cristina Nogueira

Mesa da Assembleia Geral: João Proença

Conselho Fiscal: João Carvalho das Neves

Conselho Geral: João da Costa Pinto

Godinho quer auditoria às contas e Provedor do Associado

O objetivo era criar uma solução única alternativa capaz de derrotar Tomás Correia, mas não chegaram a acordo com Ribeiro Mendes para o efeito. Falhado esse entendimento, as listas derrotadas nas últimas eleições uniram-se em torno da Lista C, encabeçada por António Godinho, sob o lema “Juntos pelo Montepio. Recuperar a Confiança”.

Tal como Ribeiro Mendes, António Godinho (que já propôs um debate televisivo com os outros dois candidatos) também quer rever a política salarial não só nos órgãos sociais da AMMG, como pretende implementar uma nova grelha salarial para todo o grupo, “em que o salário mínimo praticado é sempre uma variável para calcular o salário máximo”. Será constituída uma comissão de vencimentos liderada por Bagão Félix.

Bastante crítico da atual gestão, António Godinho vai mandar auditar as contas da associação assim como das principais empresas do grupo. “O objetivo de dar a conhecer a verdadeira situação delas e tomar as medidas apropriadas”, lê-se no programa eleitoral da Lista C.

Para melhorar a relação com os associados, Godinho quer criar a figura do “Provedor do Associado”, que será Manuel Rogério.

Candidatos na Lista C

Conselho de administração: António Godinho, António Lopes, Lúcia Gomes, Nuno Monteiro, Catarina Flores

Mesa da Assembleia Geral: José Pinto Ramalho

Conselho Fiscal: Eugénio Rosa

Conselho Geral: Alípio Dias

Comentários ({{ total }})

Quem quer o quê para a Associação Mutualista Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião