Wall Street em baixa após minutas da Fed

As bolsas norte-americanas encerraram no vermelho depois de as minutas da Fed terem sinalizado uma nova subida dos juros nos Estados Unidos em dezembro.

As bolsas norte-americanas encerram em terreno negativo, mantendo as quedas na abertura desta sessão. A contribuir para este cenário estão as minutas da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) que indicam que “quase todos os participantes” defenderam um aumento das taxas de juros, algo que já estava a ser antecipado pelos mercados. Mesmo a serem admitidas mais subidas, a Fed não tem certezas sobre esse timing.

Após a publicação destas minutas, os três principais índices de Wall Street desvalorizaram de forma modesta. O S&P 500 encerrou a cair 0,22% para 2.737,8 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq que recuou 0,25% para 7.273,08 pontos. Já o industrial Dow Jones ganhou 0,11% para 25.338,84 pontos. Uma queda generalizada que já não se verificava há quatro dias.

Estas minutas indicaram que “quase todos os membros da Fed” concordam com outro aumento dos juros, algo que, provavelmente, será “garantido em breve”. Isto acontece também um dia depois de Jerome Powell ter dito que as taxas atuais estão num nível abaixo do neutro, ou seja, nem aceleram nem desaceleram a economia norte-americana.”

“As minutas parecem consistentes com as afirmações de Powell de que, embora um novo aumento de juros em dezembro seja quase certo, uma revisão da política é certa antes dos aumentos no próximo ano”, diz Randy Frederick, da Charles Schwab, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

Nas cotadas, o destaque vai para a Boeing, cujos títulos subiram 2,5%, depois de ter sido eleita a cotada número um no setor aeroespacial para o próximo ano. “Seria preciso uma forte desaceleração económica para interromper a perspetiva favorável de produção atual”, disse o Cowen Group.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em baixa após minutas da Fed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião