Carlos Tavares aposta no BEM: Banco de Empresas Montepio

Montepio Investimento vai ter uma segunda vida. Carlos Tavares vai lançar o Banco BEM no início de 2019 com oferta para o segmento das PME e do “middle market”.

Praticamente desativado, o Montepio Investimento vai ganhar uma nova vida no início do próximo ano. Carlos Tavares prepara-se para transformá-lo num banco dedicado às PME e empresas do middle market. E já tem nome: vai chamar-se Banco de Empresas Montepio ou, simplesmente, BEM.

Esta foi uma das novidades do plano de reestruturação que Carlos Tavares, presidente do Banco Montepio, anunciou aos seus quadros num encontro em Ílhavo, realizado há algumas semanas.

A anterior administração de Félix Morgado pretendia desativar o Montepio Investimento e vender a licença do banco, mas Carlos Tavares decidiu reinventá-lo, atribuindo-lhe as funções de banco de apoio às empresas. Será lançado no primeiro trimestre de 2019.

O Banco BEM vai oferecer produtos de banca comercial, negócio internacional e banca de investimentos, especialmente dirigidos ao segmento das pequenas e médias empresas e empresas com volumes de negócio até 100 milhões de euros. Pretende ainda apoiar este segmento de empresas na obtenção de financiamento nos mercados de capitais, funcionando também como um conselheiro financeiro.

Por outro lado, o novo banco também quer intervir em operações de recuperação de créditos relativas a empresas em maiores dificuldades financeiras, mas com indicadores económicos favoráveis.

O Banco BEM vai funcionar através dos 21 centros de empresas que existem atualmente no Montepio Investimento. Também os balcões do Banco Montepio vão ser dotados de um ou dois gestores de empresas, de acordo com o número de PME afetadas.

O conselho de administração do Banco BEM será composto por 11 administradores, no máximo, inclui membros comuns ao conselho de administração do Banco Montepio, liderado por Carlos Tavares, e gestores não executivos independentes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Tavares aposta no BEM: Banco de Empresas Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião