Maioria dos líderes europeus contra cortes na Política de Coesão e Agrícola

Conselho Europeu atribuiu um mandato a Mário Centeno para apresentar até junho a proposta de capacitação orçamental da zona euro.

António Costa revelou esta sexta-feira que a maioria do Conselho Europeu está contra o corte da Política de Coesão e da Política Agrícola Comum (PAC) e manifestou vontade de se chegar a acordo sobre as perspetivas financeiras antes das eleições europeias. Este resultado do Conselho Europeu é positivo para Portugal já que o país é um dos beneficiários de ambas as políticas europeias. De acordo com a proposta da Comissão, para Portugal, sobre a mesa estava um corte de 7% na Política de Coesão e de 15% no segundo pilar da PAC, o do desenvolvimento rural, embora não houvesse cortes propostos ao nível das ajudas diretas.

Para o primeiro-ministro é importante “aumentar o volume do orçamento para que o bolo corresponda à nova ambição da Comissão Europeia”. Durante a conferência de imprensa, no final do Conselho, António Costa sublinhou ainda os avanços conseguidos ao nível da reforma da zona euro, nomeadamente o facto de o Eurogrupo ter agora um mandato para apresentar até junho uma proposta para se avançar com a capacidade orçamental relativa à convergência.

“O que me preocupa é o que vai acontecer no futuro sobre o quadro financeiro plurianual e que não houvesse uma decisão a tempo antes das eleições europeias. É uma questão que é central para a Europa, tal como é concluir a reforma da zona euro”, afirmou.

“Quando se fala de capacidade orçamental, a Comissão já apresentou a sua proposta, França e Alemanha também apresentaram uma e o Eurogrupo tem agora mandato para apresentar a sua proposta até junho. Temos de ter estabilidade na zona euro”, sublinhou o chefe de Governo.

António Costa sublinhou ainda a importância de que esta dimensão orçamental esteja inserida nas perspetivas financeiras, para que seja aprovada pelo Conselho e “pelos cidadãos, no Parlamento Europeu”. O primeiro-ministro rejeita o recurso a um mecanismo intergovernamental. Porque “nos deixaria à mercê dos Parlamentos nacionais”, justificou.

António Costa recusou dar grande relevância à discussão em torno do Brexit, que disse ser “um problema a discutir na Câmara dos Comuns” e saudou também o acordo alcançado esta sexta-feira no Porto de Setúbal, que permite agora escoar as 21 mil viaturas da Autoeuropa que estavam bloqueadas, um tema que, no entanto, não foi abordado no Conselho, garantiu Costa. “Não foi tema de conversa. É positivo que se tenha chegado a um acordo que permita a Portugal utilizar plenamente aquela infraestrutura [Porto de Setúbal]”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos líderes europeus contra cortes na Política de Coesão e Agrícola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião