PSP deixa de multar quem conduz bicicletas e trotinetas elétricas sem capacete

A PSP vai acatar as instruções do regulador e parar de multar quem conduz bicicletas elétricas ou trotinetas elétricas sem capacete, depois de um choque com a Câmara de Lisboa.

A PSP foi instada a parar de multar utilizadores das bicicletas elétricas da Gira ou de trotinetas elétricas apanhados a conduzir estes veículos sem capacete. Vai acatar as instruções do reguladorHugo Amaral/ECO

A polícia vai deixar de multar os condutores de bicicletas elétricas e de trotinetas elétricas que circulem na via pública sem capacete, acatando assim a instrução técnica do regulador, que considerou que o uso da proteção é facultativo. A informação foi transmitida ao ECO pela Direção Nacional da PSP, depois de um diferendo com a Câmara Municipal de Lisboa por causa do serviço de bicicletas partilhadas Gira.

“Para a PSP, em matéria de fiscalização rodoviária, as orientações técnicas da ANSR, como já aconteceu diversas vezes, são esclarecimentos uniformizadores de procedimentos do código da estrada, que a vinculam enquanto entidade com competências de fiscalização neste âmbito, pelo que a polícia seguirá e procederá de acordo com o definido pela instrução técnica recentemente difundida pela ANSR nesta matéria”, lê-se numa resposta a questões colocadas pelo ECO.

A polémica desencadeou-se quando, em Lisboa, a PSP começou a multar alguns utilizadores das bicicletas públicas Gira que foram apanhados a circular sem capacete. A autarquia, que sempre garantiu que o capacete não era obrigatório nas bicicletas elétricas, foi apanhada de surpresa e decidiu vir a público reiterar que o acessório não era obrigatório por lei.

Depois de uma reunião entre o vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar, e o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) foi chamada a pronunciar-se de forma vinculativa sobre o uso do capacete em veículos com motor, nomeadamente as bicicletas elétricas e as trotinetas elétricas que têm surgido em Lisboa como novas soluções de mobilidade.

A análise da ANSR veio dar razão à Câmara Municipal de Lisboa. Como noticiou o ECO, o regulador da Segurança Rodoviária concluiu que o capacete é “recomendável” mas não “obrigatório”, como acreditavam os agentes de segurança: “Face às dúvidas levantas recentemente, a ANSR emitiu hoje [14 de dezembro] uma instrução técnica que conclui pela não obrigatoriedade do uso de capacete por parte dos utilizadores”, lê-se numa nota do Ministério da Administração Interna.

A polícia seguirá e procederá de acordo com o definido pela instrução técnica recentemente difundida pela ANSR nesta matéria.

Direção Nacional da PSP

Desconhece-se número de cidadãos multados. Visados podem apresentar defesa

Instada pelo ECO a revelar o número de cidadãos autuados incorretamente, a Direção Nacional da PSP optou por não se pronunciar. Mas lembrou que “os condutores visados das autuações podem apresentar defesa no prazo de 15 dias úteis” após a data da notificação, “conforme conta nos Termos da Notificação constante no verso dos referidos autos de contraordenação”. Sobre o eventual reembolso, a PSP chutou a bola para a ANSR, que é “a entidade competente pelo processamento das contraordenações rodoviárias, bem como da aplicação das coimas e das sanções acessórias”.

Ainda assim, a PSP ressalva que “as ações de fiscalização e de sensibilização realizadas foram direcionadas para a condução de velocípedes e trotinetas com motor e tiveram como objetivo a verificação do cumprimento das disposições especiais para estes tipos de veículos constantes no Código da Estrada”. Isto já tinha sido admitido pela ANSR quando recordou que “a PSP atuou com base nas anteriores instruções técnicas” emitidas pela entidade.

Então, o que mudou? A alteração na interpretação da lei surgiu ao abrigo de um novo critério “usado em todo o espaço da União Europeia”, em que todos os veículos “com motor auxiliar até 0,25 kW, cuja alimentação é interrompida se atingir a velocidade de 25 km/h, ou antes, se o condutor deixar de pedalar”, são equiparados a velocípedes — isto é, a bicicletas ou trotinetas convencionais, explicou a ANSR na nova instrução técnica.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSP deixa de multar quem conduz bicicletas e trotinetas elétricas sem capacete

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião